10:05 22 Agosto 2017
Ouvir Rádio
    Voluntários em simulação sobre como reagir a ataque químico em Aleppo (arquivo)

    ONU acusa autoridades sírias de mais um ataque químico

    © AFP 2017/ JM LOPEZ
    Oriente Médio e África
    URL curta
    25915111

    O mecanismo conjunto da ONU e da Organização para a Proibição de Armas Químicas (OPAQ), após investigações de casos de uso de substâncias químicas com fins militares na Síria, declarou o governo sírio responsável por mais um ataque químico no seu território, informa a agência Reuters se referindo ao relatório das organizações

    A ONU e a OPAQ chegaram à conclusão que autoridades sírias teriam usado gás tóxico na província de Idlib. Conforme o texto do relatório, que chegou ao conhecimento dos correspondentes da Reuters, o ataque foi realizado na parte norte da província, em 16 de março de 2015.

    O relatório indica ainda que a Força Aérea síria usou helicópteros para lançar bombas de barril contendo cloro, um gás tóxico. Os helicópteros, segundo informações da Reuters, partiram de duas bases, em uma delas estavam estacionados helicópteros da Força Aérea do país.

    Anteriormente foi relatado que, segundo dos resultados da investigação, a ONU e OPAQ reconheceram o governo sírio responsável pelos dois ataques dos nove que foram analisados. Um destes ataques foi realizado pelo Daesh (organização terrorista, proibida na Rússia).

    Como declarou o chanceler russo, Sergei Lavrov, Moscou considera o relatório da OPAQ útil e está pronta a cooperar na investigação. De acordo com as palavras do representante permanente da Rússia na ONU, Vitaly Churkin, após este relatório ficam muitas questões por esclarecer, tendo ressaltado que este não é suficiente para introduzir sanções contra Damasco.

    Mais:

    Pentágono prevê uso de armas químicas contra Exército do Iraque
    Coordenador da UE para terrorismo alerta para o uso de armas químicas na Europa
    WP: EUA utilizam armas químicas proibidas no Iraque
    Combatentes do Daesh usam armas químicas na Síria
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik