06:46 18 Outubro 2019
Ouvir Rádio
    Presidente da Turquia Recep Tayyip Erdogan durante discurso

    Líder turco: Saddam Hussein não convidou EUA a entrar no Iraque em 2003

    © AFP 2019 / ADEM ALTAN / AFP
    Oriente Médio e África
    URL curta
    Ofensiva de Mossul (96)
    1793
    Nos siga no

    A Turquia não tem menos direito de participar na liberação da cidade de Mossul, controlada pelo grupo terrorista Daesh no Iraque, que os EUA, anunciou o presidente turco Recep Tayyip Erdogan.

    O líder turco deixou bem claro que o ex-presidente iraquiano Saddam Hussein não convidou os americanos a entrarem no país em 2003.

    Vale lembrar que os EUA e seus aliados invadiram o Iraque em março de 2003 e retiraram oficialmente suas tropas em 2011. Cerca de 200.000 soldados e civis morreram devido à guerra que, por um lado, levou à derrubada do governo de Saddam Hussein e, por outro, segundo analistas, facilitou a disseminação do Daesh (proibido na Rússia e em vários outros países) no território do Iraque.

    Um pouco antes, Erdogan tinha anunciado que a Turquia não pode ficar indiferente ao que está acontecendo no vizinho Iraque e que pretende participar da liberação de Mossul.

    As autoridades iraquianas, porém, são contra a presença das forças turcas no país, cuja base fica no campo de Bashik, no norte.

    Segundo Erdogan, "a operação que visa liberar Mossul conta com a participação de países que não têm nada a ver com a região".

    "Então por que o governo do Iraque não recusou àqueles que se encontravam no país sem qualquer convite? Será que Saddam Hussein os convidou há 14-15 anos? Apesar disso, eles entraram no país. Foi derramado sangue, morreu mais de um milhão de pessoas", declarou Erdogan, ao discursar no Congresso Internacional de Direito de Istambul citado pela agência Anadolu.

    Qual é a causa disso? Na opinião de Erdogan, há tentativas para impedir que a Turquia participe da operação devido à vontade de Ancara de frustrar os planos para desencadear uma confrontação interconfessional sob pretexto da luta contra o Daesh.

    Em 16 de outubro, o primeiro-ministro iraquiano, Haider al-Abadi, anunciou o início da operação militar para liberar a cidade de Mossul, no norte do Iraque, da ocupação do Daesh.

    Mossul, considerada a segunda maior cidade do Iraque, tem cerca de 700 mil habitantes. O exército iraquiano e as milícias xiitas e curdas, apoiados pela força aérea da coalizão internacional liderada pelos EUA, estão tentando desde o mês de março liberar a cidade do Daesh, que ocupou Mossul em junho de 2014.

    Tema:
    Ofensiva de Mossul (96)

    Mais:

    'Turquia permanecerá no norte do Iraque até não ser mais necessário'
    Rússia pode ajudar a melhorar relações entre Turquia e Iraque
    Tags:
    derrubada, sangue, convite, liberação, operação, Anadolu, Daesh, Haider al-Abadi, Saddam Hussein, Recep Tayyip Erdogan, Istambul, Mossul, EUA, Iraque, Turquia
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar