07:24 24 Julho 2021
Ouvir Rádio
    Oriente Médio e África
    URL curta
    14110
    Nos siga no

    A organização em questão tenta criar uma imagem do Irã perante a comunidade internacional como de uma ameaça nuclear ao mundo, assim como faz tudo para que os parceiros econômicos do país introduzam mais sanções.

    Rahman Hariri, professor da Universidade de Teerã e especialista em relações internacionais, em entrevista à Sputnik Persa analisou a situação relativamente à organização anti-iraniana detalhadamente. Apresentamos sua vista quase na íntegra, com poucas omissões.

    Como tudo começou?

    A organização Unidos contra o Irã Nuclear (UANI) foi criada em 2008, sob influência da CIA e do lobby israelense, por Mark D. Wallace, que depois se tornou o chefe da organização, Jim Woolsey, Richard Holbrooke e Dennis Ross. O chefe da organização é também ex-embaixador dos Estados Unidos na ONU, membro do Partido Republicano americano e amigo de George H. W. Bush (pai, ex-presidente americano). O presidente da organização é o político famoso Gary Samore, antigo conselheiro de Barack Obama para as questões de controle de armamento e armas de destruição em massa.

    O grupo tenta pôr fim às relações comerciais do Irã usando vários instrumentos, desde a mídia às ameaças apresentadas a empresas que realizam atividades comerciais no exterior.

    Não obstante a organização se posicionar como não-governamental, ela foi criada por pessoas muito próximas da política da Casa Branca e do Congresso dos EUA.

    Considerando as ações da organização, também se torna bastante claro que seu objetivo é a criação de uma espécie de iranofobia na cena internacional. Oficialmente, ela tem ainda outros objetivos: informar a opinião pública sobre a natureza do regime político no Irã; aumentar o nível de informação nos EUA e no mundo sobre a ameaça de obtenção pelo Irã de armas nucleares; realizar políticas para que o Irã deixe de ter planos para criação de armas nucleares; tomar medidas sociais, econômicas, políticas e diplomáticas nos níveis nacional e internacional seguindo as linhas acima mencionadas.

    Quem financia tudo isso?

    Não há dúvidas que a organização Unidos contra o Irã Nuclear é patrocinada por várias estruturas internacionais, inclusive pelo Comitê Americano Israelense de Relações Públicas, que é uma das maiores estruturas lobísticas americano-israelenses nos EUA. Outro patrocinador é o Partido Republicano dos EUA que tem claramente uma atitude muito negativa relativamente ao Irã. Também os países árabes do Golfo Pérsico, que sempre tentaram minimizar as relações com o Irã nas áreas civil e militar e que ganharam muito com a introdução das sanções.

    O que esconde a organização?

    Primeiramente, a política oficial dos EUA é contrariada dentro da organização por aqueles que estão contra as decisões da administração de Obama, incluindo militares, serviços secretos, os republicanos e o Comitê americano-israelense.

    Em seguida, o fato que por apoiar a organização o governo realiza de fato uma política contraditória, o que causa muitos danos às relações diplomáticas e a diminuição da vontade iraniana de seguir o Plano de Ação Conjunto Global (quer dizer, o acordo com o sexteto relativamente ao programa nuclear iraniano).

    Finalmente, o trabalho diplomático encoberto contra o Irã, ou seja, um trabalho que visa minar a posição do país na arena mundial.

    Mais:

    Irã e Rússia anunciam acordo de cooperação estratégica para os próximos 5 anos
    Moscou preocupada com planos dos EUA de colocar novas bombas nucleares na Europa
    Mídia: executado físico nuclear iraniano que voltou dos EUA
    Tags:
    política externa, programa nuclear iraniano, sanções, Irã, EUA
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar