03:33 19 Abril 2019
Ouvir Rádio
    Ajuda humanitária danificada por ataque ao comboio da Cruz Vermelha e Crescente Vermelho em Aleppo, Síria

    Investigadores: Ataque contra comboio humanitário em setembro foi uma encenação

    © REUTERS / Ammar Abdullah
    Oriente Médio e África
    URL curta
    28412

    O ataque contra o comboio humanitário da ONU e Crescente Vermelho Árabe Sírio de 19 de setembro na Síria foi uma "encenação bem preparada", diz-se no relatório preliminar do grupo de investigadores independentes do Grupo Internacional de Apoio à Síria.

    Os especialistas realizaram uma análise das fotos e vídeos do ataque divulgados na mídia e analisaram um vídeo gravado pelo drone da Força Aeroespacial russa que acompanhava o comboio. O vídeo mostra claramente "um carro com um reboque onde é possível ver um morteiro de grande calibre", que "seguia sob a cobertura do comboio humanitário", destacaram os especialistas.

    "<…> Se observarem as informações de 19 de setembro, verão que nesse local e nessa altura os militantes da Frente al-Nusra realizaram uma ofensiva de grande escala em direção de Aleppo apoiada por fogo massivo de artilharia, tanques e sistemas de lançamento múltiplo de foguetes", diz-se no relatório.

    Ao mesmo tempo, os especialistas afirmaram que a análise das fotos indica que se tratou de uma encenação, uma simulação de ataque contra o comboio. Em particular, a cabina de um dos carros permaneceu intata e "não tem marcas da explosão que acorreu muito perto — marcas de impacto dos fragmentos ou mossas, somente a carroçaria ficou queimada". Além disso, as bordas das brechas nos caminhões danificados estão cobertas com ferrugem. A estrada ficou intacta, sem marcas de impacto.  Se se tivesse tratado de um ataque aéreo "toda a superfície da estrada teria tais marcas", sublinharam especialistas.

    O dano observado nos caminhões do comboio não corresponde ao efeito de um ataque aéreo — a onda de explosão, pelo menos, teria virado os caminhões e as cargas; a explosão de uma bomba teria deixado fragmentos nas paredes das casas em redor. Como mostram as fotos, os caminhões perderam somente a lona que os cobria, as jantes ficaram sem marcas, as caixas de cartão permaneceram em seus lugares e as paredes das casas próximas não apresentam quaisquer brechas. Uma das caixas tem marcas de pedras pequenas, que podem ter sido resultado de explosão de um pequeno projétil não-encamisado (usado geralmente em pistolas e fuzis — red.)

    Os especialistas também consideram estranha a cratera que alegadamente foi resultado de um ataque aéreo. "A parte central como que atraiu os objetos que estavam em volta ao invés de dispersá-los", como seria normal.

    "Fazendo um resumo desta análise preliminar é possível concluir que se tratou de uma encenação bem preparada ou um ataque simulado", diz-se no relatório.

    Os representantes norte-americanos já expressaram a sua discordância em relação aos resultados da investigação.

    Há que lembrar que, na noite de segunda para terça-feira (20), o comboio humanitário do Crescente Vermelho Árabe Sírio e de organizações humanitárias da ONU foi atacado perto da cidade de Aleppo. A passagem da coluna foi coordenada com Damasco e a oposição armada. O Comitê Internacional da Cruz Vermelha informou sobre a morte de um dos funcionários do Crescente Vermelho e pelo menos de 20 civis.

    Tendo estudado as gravações do local do ataque, os militares russos declararam não ter identificado o projétil que alvejou a coluna. O vídeo mostra somente os vestígios do fogo, que coincidiu com o começo da ofensiva da Frente al-Nusra contra Aleppo.

    Mais:

    Governo sírio bloqueia missão humanitária da ONU
    EUA não querem divulgar dados sobre ataque aéreo ao comboio da ONU na Síria
    EUA acreditam no envolvimento da Rússia em ataque ao comboio humanitário na Síria
    Ministério da Defesa da Rússia: nem aviões russos, nem sírios atacaram comboio humanitário
    Tags:
    mentira, ataque, investigação, comboio, Crescente Vermelho, ONU, Síria
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar