11:03 25 Junho 2018
Ouvir Rádio
    Manifestação em 28 de maio de 2016 em Istambul, para marcar o sexto aniversário do incidente ocorrido em 2010 com a flotilha do Mavi Marmara

    Israel paga US$20 milhões para 'fazer as pazes' com a Turquia

    © AFP 2018 / OZAN KOSE
    Oriente Médio e África
    URL curta
    311

    Israel pagou nesta sexta-feira (30) 20 milhões de dólares à Turquia em compensações relativas ao incidente envolvendo o navio turco Mavi Marmara e o ataque à chamada Flotilha da Liberdade em maio de 2010.

    O pagamento foi confirmado pela agência de notícias turca Anadolu, que citou fontes diplomáticas do país. 

    Presidente russo Vladimir Putin e primeiro-ministro israelense Benjamin Netanyahu durante a reunião na residência presidencial de Novo-Ogarevo, 21 setembro de 2015
    © AFP 2018 / IVAN SEKRETAREV / POOL
    Em 20 de agosto, o parlamento turco aprovou o projeto segundo o qual Tel Aviv pagaria os US$ 20 milhões para as famílias das vítimas na Turquia, como parte de um acordo de normalização das relações diplomáticas entre os dois países após um hiato de seis anos. 

    As relações foram interrompidas no final de maio de 2010, após a chamada operação "Sea Breeze", quando comandos israelenses mataram 10 ativistas turcos no Mavi Marmara, que fazia parte de uma flotilha que estava indo para Gaza a fim de entregar ajuda humanitária à região palestina. 

    Além da compensação financeira, Israel concordou em permitir a presença humanitária da Turquia na Faixa de Gaza.

    Mais:

    Turquia pode esquecer bloqueio de Gaza em troca de ajuda de Israel na questão síria
    Turquia envia 11 mil toneladas de ajuda humanitária para Gaza via Israel
    Reaproximação entre Israel e Turquia aumenta perspectivas de cooperação em energia
    Tags:
    pagamento, normalização, relações diplomáticas, navio, mortos, ajuda humanitária, acordo, compensação, 2010, operação Sea Breeze, ataque à Flotilha da Liberdade, Mavi Marmara, Gaza, Turquia, Israel
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik