13:49 12 Dezembro 2017
Ouvir Rádio
    Caças das Forças Armadas dos EUA durante operação nos céus da Síria

    EUA 'investiram demasiado na oposição síria para serem capazes de voltar atrás'

    © flickr.com/ U.S. Department of Defense
    Oriente Médio e África
    URL curta
    1291

    Comentando a retórica militarista dos EUA em relação à Rússia, e suas ameaças que os terroristas iriam atacar a Rússia, o analista político russo Aleksei Fenenko explicou por que os EUA continuarão armando a oposição radical na Síria e quais são os motivos dessa retórica.

    "Os grupos extremistas continuarão usando o vácuo que há na Síria para expandir sua atividade, o que pode incluir ataques contra interesses russos, talvez até contra cidades russas. A Rússia vai continuar enviando soldados para casa em sacos para cadáver e vai continuar perdendo recursos, talvez até mesmo aeronaves", disse John Kirby, porta-voz do Departamento de Estado durante sua coletiva de imprensa.

    Comentando esta declaração, o vice-ministro das Relações Exteriores da Rússia Sergei Ryabkov disse na quinta-feira que isto reflete um estado de "frustração emocional".

    Aleksei Fenenko, pesquisador principal no Instituto de Problemas de Segurança Internacional da Academia de Ciências da Rússia, explicou à RIA Novosti o que está por trás desta retórica e como os EUA continuarão armando a oposição radical na Síria.

    "Os EUA vão continuar tentando armar a oposição radical na Síria, isso é parte de sua estratégia", disse o especialista.

    "Os americanos têm investido demasiado na Síria para serem capazes de se retirar assim tão facilmente. Apesar de toda sua retórica sobre a Síria, qualquer tentativa dos EUA para recuarem será considerada como uma derrota, assim eles vão continuar ajudando a oposição radical", disse o cientista político.

    Ele explicou ainda que, a partir de agora e até janeiro, irá decorrer um período muito perigoso, porque Obama em breve vai abandonar o cargo presidencial e precisa fazer algo realmente notável até o final de sua presidência.

    "Eu não sou otimista sobre as nossas perspectivas da cooperação. Obama não se está tornando apenas um 'pato coxo', mas ele sente a extrema necessidade de fazer algo extraordinário antes do fim do mandato. O chamado 'resgate' ou 'salvação' da oposição síria pode se tornar algum desses 'eventos extraordinários'", afirmou o especialista.

    Mais:

    Kerry contraria evidências e diz que EUA não querem guerra com Síria
    Putin e Merkel discutem acordo entre Rússia e EUA sobre Síria
    Merkel e Erdogan: Rússia tem 'responsabilidade' de acalmar a Síria
    Tags:
    terrorismo, oposição moderada, militantes, militares, vítimas, John Kirby, Sergei Ryabkov, Barack Obama, Rússia, EUA, Síria
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik