06:55 16 Dezembro 2017
Ouvir Rádio
    A Cidadela de Aleppo (foto de arquivo)

    General sírio: A Rússia é o único país que nos ajuda

    © Sputnik/ Mikhail Alaeddin
    Oriente Médio e África
    URL curta
    14190

    Os militares sírios que protegem a antiga cidadela de Aleppo agradecem a Rússia pelo apoio.

    A histórica cidadela da antiga fortaleza de Aleppo está localizada na cidade velha, em uma colina de 50 metros. A cidadela, como muitos séculos atrás, continua sendo um dos principais pontos estratégicos da cidade de defensores. Aqui o exército sírio enfrenta os rebeldes. O presidente da comissão de segurança de Aleppo, o general Ziad Saleh, agradece a Rússia:

    "O único país no mundo que nos ajuda é a Rússia. Apenas a Rússia em todo o mundo luta pelos direitos dos oprimidos! Estamos muito gratos!", diz ele.

    "Desde 2012 que os militantes tentam quebrar a defesa, algumas vezes eles tentaram fazer explodir as muralhas da cidade, mas não conseguiram chegar perto.

    Resistimos aos bombardeios de metralhadoras pesadas e artilharia. A cidadela é um símbolo da resistência de Aleppo e de toda a Síria", disse Dahir Koswara, tenente do exército sírio.

    Tentativa de assalto

    Ao longo dos séculos, esta fortaleza foi invadida por legionários romanos, mongóis e turcos. Quatro anos atrás, cercaram os esquadrões de extremistas. A pequena guarnição de duas dúzias de soldados e oficiais, privados de abastecimento, mantiveram a defesa alguns meses, até ter sido aberta uma passagem secreta.

    A fortaleza de Aleppo continua cercada. É possível apenas entrar nela através de seus corredores subterrâneos. As muralhas antigas são ainda inexpugnáveis. À volta da cidadela está um grande fosso, que a protege de ataques suicidas e de veículos com explosivos. Em todo o perímetro da fortaleza há postos de observação, os movimentos dos extremistas estão sob vigilância permanente.

    "A última tentativa de captura ocorreu recentemente. Descobrimos que, da parte de fora, estava a ser escavado um túnel de 200 metros de cumprimento. Eles escavaram durante cinco meses, nós organizámos uma emboscada debaixo da terra. Dois foram liquidados no local, outros fugiram. Fizemos o túnel explodir", conta o comandante da fortaleza, Mahmoud Ganesh.

    Patrimônio da UNESCO

    Dentro das muralhas da fortaleza há centenas de relíquias antigas e monumentos de arquitetura. Todo o complexo está inscrito na lista do património Mundial da UNESCO. De acordo com os arqueólogos, o primeiro achado encontrado tem mais de 10 mil anos.

    No século XIII, a cidadela era uma das mais ricas no Oriente Médio. Dentro estavam localizados palácios e banhos públicos, uma mesquita e um cemitério, um arsenal e celeiros. A fortaleza foi capturada pelos romanos, cruzados, reconquistada pelos muçulmanos e tomada de assalto por Alexandre, o Grande, e Tamerlão.

    Após o terremoto do século XIX, quase todas as construções foram destruídas. Permaneceram apenas o anfiteatro romano, a sala do trono, várias mesquitas e igrejas. Tudo isto há quatro anos que é ameaçado pelos terroristas.

    Mais:

    Kremlin: EUA não cumprem seus compromissos na Síria
    Rússia pronta para continuar diálogo com EUA sobre ações conjuntas na Síria
    Aleppo se torna habitada de novo (VÍDEO)
    Damasco recupera controle total do campo de Handarat no sudoeste de Aleppo
    Tags:
    patrimônio cultural, fortalezas, cidadela, UNESCO, Rússia, Aleppo, Síria
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik