07:18 20 Janeiro 2018
Ouvir Rádio
    Salman bin Albdulaziz Al Saud, atual rei da Arábia Saudita

    Rei saudita corta salários de ministros e congela pagamento de servidores

    © AFP 2018/ FAYEZ NURELDINE
    Oriente Médio e África
    URL curta
    18131

    A Arábia Saudita anunciou nesta segunda-feira um corte de 20% nos salários dos ministros de Estado e o congelamento dos salários de servidores de baixo escalão como medida de austeridade intensificada para lidar com a queda da receita do petróleo.

    Além dos ministros e dos pequenos servidores, a manobra também afetará os membros da Assembleia Consultiva, que perderão cerca de 15% do valor de auxílios para moradia, mobília e veículos, de acordo com o decreto real. 

    O rei Salman bin Abdulaziz Al Saud não informou quanto pretende economizar com esses cortes.

    Desde o final de 2014, a Arábia Saudita vem apresentando problemas financeiros decorrentes da queda do preço global do seu principal produto, o que levou o país a um déficit orçamentário recorde no ano passado, de 98 bilhões de dólares, agravado pelas despesas com a guerra no Iêmen.  

    Em agosto passado, em coletiva de imprensa na sede da Rossiya Segodnya, em Moscou, o chefe da associação iemenita de clérigos Ulama, Mohamed Shamsudin, disse que Riad já tinha gasto mais de 180 bilhões de dólares no conflito do país vizinho. 

    Mais:

    Obama veta projeto de lei que permitiria às famílias do 11/09 processar a Arábia Saudita
    Chancelaria do Irã: Arábia Saudita dissemina o wahhabismo pela TV
    Arábia Saudita intercepta míssil do Iêmen
    Anistia: Washington, Doha, Ancara e Riad apoiam criminosos de guerra
    Tags:
    austeridade, petróleo, Ulama, Rossiya Segodnya, Salman bin Abdulaziz Al Saud, Riad, Iêmen, Arábia Saudita, Moscou
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik