22:07 22 Maio 2018
Ouvir Rádio
    Presidente norte-americano Barack Obama discursa depois da reunião com altos responsáveis militares sobre a campanha militar contra o Daesh, 2015 (foto de arquivo)

    Lavrov: Pelos vistos, militares americanos não obedecem ao presidente Obama

    © AFP 2018 / SAUL LOEB
    Oriente Médio e África
    URL curta
    15172

    O ministro das Relações Exteriores russo, Sergei Lavrov, declarou que os militares norte-americanos, pelos vistos, não obedecem ao seu comandante-em-chefe – o presidente dos EUA Barack Obama.

    "O comandante-em-chefe dos EUA, Barack Obama, apoiava, como todos me convenciam, a cooperação com a Rússia. Confirmou isso durante o encontro com o presidente [da Rússia Vladimir] Putin na China. Pelos vistos, os militares não parecem obedecer ao seu comandante-chefe", disse Lavrov para o canal televisivo russo NTV.

    O chefe da diplomacia russa afirmou também que, depois dos ataques contra o comboio humanitário na Síria de 19 de setembro, a Rússia exigiu realizar uma investigação e "o meu parceiro John Kerry, o que não é característico dele, disse que a investigação pode ser realizada mas que já sabia quem fez isso – foi o Exército sírio ou a Rússia, mas em todos os casos a culpa é da Rússia".

    "Pelos vistos, ele estava 'a ferver', porque está sob críticas violentas do mecanismo militar dos EUA", disse Lavrov.

    Além disso, o chanceler russo acrescentou que é evidente que "o Ocidente, encabeçado pelos EUA, que lideram a coalizão contra o Daesh, e como dizemos, contra a [Frente] 'al-Nusra na Síria' não conseguem cumprir as suas responsabilidades".

    Respondendo à questão se os acordos russo-americanos sobre a Síria estão enterrados, Lavrov afirmou que, na sua opinião, os EUA não pensam assim.

    Além disso, o alto diplomata russo destacou que agora não poderá confiar a 100% na coalizão liderada pelos EUA. Lavrov disse que a coalizão realiza ataques somente contra o Daesh, mas não alveja as posições da Frente al-Nusra.

    Há que lembrar que, segundo os acordos atingidos pela Rússia e os EUA em 9 de setembro, Washington concordou em tomar um leque de medidas em conjunto com Moscou em relação à Frente al-Nusra. Em particular, as partes acordaram elaborar um mapa com as posições do Daesh e Frente al-Nusra para realizar ataques mais tarde. A prioridade do acordo era a demarcação das regiões controladas pelos terroristas do Daesh e da Frente al-Nusra. O secretário de Estado norte-americano, John Kerry, avisou na reunião do Conselho de Segurança da ONU que a comunidade internacional não irá fechar os olhos à cooperação entre a oposição síria e os terroristas da Frente al-Nusra.

    Mais:

    Lavrov: 'Comboios humanitários na Síria estão diretamente ameaçados'
    Lavrov discursa na 71ª Assembleia Geral da ONU
    Kerry e Lavrov devem realizar novo encontro sobre a Síria nas próximas horas em NY
    Lavrov se reúne com secretário-geral da OTAN em Nova York
    Lavrov: Ataque da coalizão contra Exército sírio foi 'flagrante' violação do cessar-fogo
    Lavrov: aviação síria não podia ter alvejado comboio humanitário
    Lavrov e Kerry discutem cessar-fogo sírio em Nova York
    Tags:
    acordo de cooperação, coalizão internacional, militares, oposição, Daesh, Frente al-Nusra, Sergei Lavrov, Síria, EUA, Rússia
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik