23:06 24 Maio 2018
Ouvir Rádio
    Militantes armados leais aos rebeldes houthis, Sanaa, Iêmen, 20 de junho de 2016

    Houthis detêm espião americano

    © AFP 2018 / MOHAMMED HUWAIS
    Oriente Médio e África
    URL curta
    5120

    Os rebeldes houthis que controlam a capital do Iêmen, Sanaa, do movimento xiita Ansar Allah, acabam de deter um cidadão dos EUA sob acusação de servir como apontador de fogo para a coalizão árabe liderada pela Arábia Saudita.

    Segundo os houthis, os dados foram usados por militares para realizar ataques aéreos. 

    A respectiva informação foi divulgada por Naif al-Qanes, o vice-chefe do comitê revolucionário de houthis em sua página no Twitter, com uma foto do detido:

    "A detenção [de Peter Williams] aconteceu após a confirmação da informação de que ele fazia chegar as coordenadas para bombardeios da coalizão," escreveu.

    Mais cedo, na terça-feira (20) a mídia local, citando estudantes, informou que o diretor do centro de línguas Exceed Language Center, Peter Williams, foi levado do edifício por pessoas armadas em traje civil e levado em direção desconhecida.

    ​Depois foi informado que o diretor foi levado por funcionários da força da segurança nacional, criada pelos houtnis do movimento Ansar Allah ("Partidários de Deus", em tradução livre).

    O Iêmen continua sofrendo do conflito armado desencadeado em 2014 por houthis rebeldes e a parte do exército que continua leal ao ex-presidente Ali Abdullah Saleh de um lado e tropas governamentais e milícia, leais ao presidente Abd Rabbuh Mansur Al-Hadi de outro.

    A coalizão dos países árabes liderada pela Arábia Saudita está realizando ações militares apoiando as autoridades iemenitas desde março de 2015. Em resposta, os houthis bombardeiam quase diariamente a região fronteiriça da Arábia Saudita usando mísseis balísticos, que geralmente estão sendo interpretado por Defesa Antimíssil do país.

    Tags:
    coalizão, espionagem, Iêmen, Arábia Saudita, EUA
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik