08:17 15 Dezembro 2017
Ouvir Rádio
    Representante permanente da Rússia na ONU, Vitaly Churkin

    Rússia revela detalhes do acordo com os EUA sobre a Síria após ataque de Deir ez-Zor

    © AP Photo/ Julie Jacobson
    Oriente Médio e África
    URL curta
    Ataque americano contra exército sírio (26)
    3464

    O representante permanente da Rússia na ONU, Vitaly Churkin, divulgou a jornalistas algumas disposições do acordo selado entre Moscou e Washington sobre a Síria.

    A Rússia tem insistido na necessidade de publicar os documentos, mas os EUA são contra.

    "Devido a razões que não podemos entender completamente, os EUA não concordaram em partilhar os textos dos documentos com vocês e até mesmo com os representantes do Conselho de Segurança da ONU. Mas eu vou ler fragmentos destes dois documentos para esclarecer [a situação]", disse Churkin em entrevista coletiva após uma reunião de emergência do Conselho de Segurança. 

    O Conselho se reuniu ontem (17) à noite depois que aviões da coalizão liderada pelos EUA atacaram as tropas do Exército sírio em Deir ez-Zor, deixando pelo menos 62 soldados mortos. O Observatório Sírio dos Direitos Humanos disse que o número de baixas chegou a 80. O Comando Central dos EUA disse mais tarde que o ataque aéreo havia sido um acidente.

    Moscou insiste na divulgação dos documentos, a fim de evitar especulações e interpretações equivocadas. Os EUA, por sua vez, ainda não decidiram se vão publicar o texto do acordo ou não.

    Na sexta-feira (16), era esperada uma reunião do Conselho de Segurança da ONU sobre a Síria, mas a Rússia decidiu cancelá-la devido à falta de vontade de Washington em tornar público o acordo. Além disso, Churkin expressou dúvidas de que o Conselho aprovaria uma resolução para apoiar o acordo. 

    "A Rússia e os EUA vão tomar esforços conjuntos para estabilizar a situação na Síria, incluindo medidas especiais perto de Aleppo. As prioridades são a separação dos territórios controlados pelo Daesh e pela Frente al-Nusra dos territórios controlados pelas forças da oposição moderada, bem como a separação dos rebeldes moderados dos militantes da al-Nusra", revelou o diplomata russo. 

    Ele também citou trechos de um documento acordado entre Washington e Moscou em julho.

    "O objetivo de um Grupo de Implementação Conjunta é o estabelecimento de uma ampla coordenação entre os Estados Unidos ea Federação Russa. As partes, os EUA e a Rússia, vão trabalhar em conjunto no âmbito de um Grupo de Implementação Conjunta, a fim de derrotar a al-Nusra e o Daesh. Elas vão trabalhar a fim de manter um cessar-fogo e apoiar um processo de transição política descrito na resolução 2254 pelo Conselho de Segurança da ONU ", disse Churkin.

    De acordo com ele, as outras disposições eram sobre questões humanitárias e a situação no terreno.

    "Essas preparações foram muito importantes. Elas poderiam mudar a situação e intensificar os esforços contra a al-Nusra e o Daesh. Elas também poderiam criar melhores condições para um processo político", acrescentou o enviado especial russo. 

    No início desta semana, o presidente russo, Vladimir Putin, comentou sobre o assunto. "A única razão pela qual eles aparentemente não querem torná-lo público é porque a comunidade internacional, bem como público americano e russo, descobrirão imediatamente quem não está respeitando o acordo", disse Putin. 

    O presidente ressaltou que os militantes da al-Nusra deviam ser separados dos grupos de oposição, mas que Washington não tinha feito progressos sobre o problema.

    "Eu gostaria que fôssemos honestos uns com os outros… E eu não entendo muito bem por que devemos esconder qualquer um dos nossos acordos. Claro, não vamos divulgá-los até que os nossos parceiros norte-americanos concordem com isso”, afirmou o líder russo.

    Em 9 de setembro, o chanceler russo, Sergei Lavrov, e o secretário de Estado dos EUA, John Kerry, anunciaram um novo plano sobre a Síria, que estipula um cessar-fogo que entrou em vigor na segunda-feira (12). 

    Tema:
    Ataque americano contra exército sírio (26)

    Mais:

    Putin clarifica falta de vontade dos EUA de tornar públicos detalhes de acordo sobre Síria
    EUA explicam por que não revelam detalhes do acordo com a Rússia
    Rússia prefere 'lidar com diabo que conhece': EUA analisam acordo russo-americano
    Tags:
    detalhes, oposição moderada, acordo, cessar-fogo, ataque, Daesh, Frente al-Nusra, Conselho de Segurança da ONU, Estado Islâmico, Vitaly Churkin, Sergei Lavrov, John Kerry, Vladimir Putin, Deir ez-Zor, Síria, EUA, Rússia
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik