02:02 19 Outubro 2018
Ouvir Rádio
    Integrantes do grupo jihadista Frente Nusra

    Quem desafiou a China no Quirguistão?

    © flickr.com / coolloud
    Oriente Médio e África
    URL curta
    0 61

    Em 6 de setembro o Comitê Estatal de Segurança Nacional do Quirguistão confirmou a versão da agência Sputnik referente ao atentado ocorrido na Embaixada da China em Bishkek.

    Segundo os serviços especiais, quem ordenou o atendado foram os grupos terroristas uigures ligados à organização terrorista Jabhat al-Nusra (Frente al-Nusra).

    O homem-bomba, que arrombou o portão da representação diplomática com carro e ativou o explosivo, era de etnia uigur. Ele foi treinado na Síria e tinha passaporte tajique. O homem-bomba tinha ligações com o grupo terrorista internacional Movimento Islâmico do Turquestão Oriental, que atua em Xinjiang na China, no Afeganistão e nas repúblicas pós-soviéticas da Ásia Central.

    O grupo que organizou o atentado era composto por uzbeques e quirguizes ligados à clandestinidade de radicais.

    Segundo informações, uma parte dos islamistas que organizou a explosão na embaixada, anteriormente foi à Turquia e à Síria para participar de ações militares do lado de grupos terroristas. Outros estavam no Quirguistão ajudando os radicais a atravessarem a fronteira com passaportes falsos e a prepararem atentado. Cinco deles (todos cidadãos quirguizes) foram presos. De acordo com a investigação, outros três quirguizes suspeitos de financiar o atentado, estão na Turquia.

    Azhdar Kurtov, do Instituto Russo de Estudos Estratégicos, opina que não é por acaso que a Embaixada da China no Quirguistão foi escolhida como alvo do ataque. Eis o que ele diz:

    "No período pós-soviético, no Quirguistão cresceu rapidamente o islamismo. Apareceram milhares de mesquitas…", explica.

    Segundo ele, "muitas vezes os órgãos estatais do país destacaram que uma parte das mesquitas chegou a ser controlada por islamistas radicais". Nestas mesquitas "acontecia recrutamento de apoiadores de organizações antigovernamentais", revela o especialista russo.

    O atentado contra a Embaixada da China em Bishkek, ocorrido no dia 30 de agosto, e a descoberta de seus organizadores coincidiram com as mudanças no Uzbequistão impulsionadas pela recente morte do presidente Islam Karimov. O falecimento dele causou polêmica entre especialistas, pois a morte poderá resultar em ameaça do islã radical no país. Especialistas entrevistados pela agência Sputnik acham pouco provável tal cenário.

    Aleksandr Knyazev, cientista em questões da Ásia Central, tem a seguinte opinião:

    "Diferentemente do Quirguistão, Uzbequistão foi e continuará sendo país forte. Os recentes eventos não alteram de forma alguma esse paradigma."

    Segundo ele, o Uzbequistão possui boa experiência no combate ao radicalismo religioso e "pode servir de exemplo para todo o espaço pós-soviético."

    "Acho que as forças políticas, que se mantêm no governo do Uzbequistão, são capazes de resistir a isso da mesma forma que eram quando estava vivo Islam Karimov", conclui.

    Ao mesmo tempo, de acordo com Yang Shu, especialista chinês da Universidade de Lanzhou, a situação depende de como vai ocorrer o processo de transição do poder.

    O vice-diretor do Instituto dos Países da Comunidade dos Estados Independentes (CEI), Vladimir Zhakhirin, entrevistado pela Sputnik, sugere que o atendado poderia ser levado a cabo por islamistas uigures. Ele indica que os islamistas tiveram oportunidade de se preparar para esse atentado e tentaram atrair atenção para mostrar que continuam lutando.

    Segundo Zhakhirin, "a elite uzbeque chegou a um acordo que Shavkat Mirziyoyev será presidente". Ele não acha que no Uzbequistão vai acontecer algo parecido ao cenário quirguiz e não há perigo sério de desestabilização no país.

    Mais:

    Putin visitará Uzbequistão em memória a Karimov
    Eliminado comandante da Frente al-Nusra na Síria
    Daesh e Frente al-Nusra atacaram forças sírias em Daraya e Hama
    Tags:
    atentado suicida, grupo terrorista, radicais islâmicos, uigur, explosão, Jabhat al-Nusra, CEI, Embaixada da China, Frente al-Nusra, Islam Karimov, Uzbequistão, Ásia Central, Bishkek, Tajiquistão, Quirguistão, Turquia, Xinjiang, Afeganistão, Síria, China
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik