06:05 22 Agosto 2017
Ouvir Rádio
    Barack Obama e Adel al-Jubeir

    EUA vendem armas à Arábia Saudita no valor de $ 115 bilhões

    © AP Photo/ Carolyn Kaster
    Oriente Médio e África
    URL curta
    22086214

    Sob administração do presidente dos EUA Barack Obama, Washington forneceu à Arábia Saudita cerca de $ 115 bilhões em armas, de acordo com um relatório a que a Reuters teve acesso.

    O relatório de William Hartung, especialista em segurança nacional e política externa do Centro para a Política Internacional, frisa que estiveram em negociação 42 contratos diferentes entre a Arábia Saudita e os EUA. O relatório não diz quantos negócios foram acordados, mas a maioria dos equipamentos militares não foi entregue. A informação foi obtida a partir da Agência de Defesa de Cooperação. Hartung disse à Reuters que o relatório seria tornado público em 8 de setembro.

    De acordo com o relatório, as ofertas de vendas militares incluíram armas leves, munições, tanques, helicópteros de ataque, mísseis terra-ar, navios de defesa antimíssil e de combate, bem como manutenção e treinamento.

    Estas vendas de armas acrescidas para uma monarquia cada vez mais opressiva foram criticadas por grupos de direitos humanos. Na 2ª conferência da ONU sobre o comércio global de armas, realizado em agosto em Genebra, a Coalizão para Controle de Armas apelou aos países ocidentais, incluindo os EUA, que parassem a venda de armas à Arábia Saudita devido às suas ações no Iêmen. Os sauditas, chefiados por um clã predominantemente sunita, têm bombardeado o grupo oposicionista houthi, um grupo xiita apoiado pelo Irã, que derrubou o governo fantoche corrupto, apoiado pela Arábia Saudita e os EUA. Riad se encontrou sob duras críticas por direcionar as bombas contra grupos e estruturas civis iemenitas, incluindo escolas e hospitais, matando mais de 4.000 civis.

    A Coalizão para Controle de Armas afirmou que os EUA violaram o tratado de Comércio de Armas de 2014, que restringe o comércio ilícito de armas convencionais. No entanto, o governo dos EUA aprovou no mês passado um novo pacote de armas para a Arábia Saudita no valor de $ 1,15 bilhões.

    Hartung sugere que os EUA possam usar de sua influência para fazer pressão sobre a Arábia Saudita para acabar com o derramamento de sangue. Ele disse à Reuters que "é tempo para a administração de Obama aproveitar o melhor meio de pressão que tem — a Arábia Saudita depende das armas e apoio dos EUA — para parar a guerra no Iêmen, em primeiro lugar".

    "Os contratos mais recentes envolvem o reabastecimento da Arábia Saudita com munições, bombas e tanques para substituir o armamento usado ou danificado durante a guerra do Iêmen e são, sem dúvida, destinados a "tranquilizar" os sauditas que os EUA não vão se inclinar para o lado do Irã no seguimento do acordo nuclear", disse ele.

    Mais:

    Paralelo à G20, Temer se encontra com líderes do Japão, Espanha, Arábia Saudita e Itália
    Hospital dos Médicos sem Fronteiras é bombardeado no Iêmen por coalizão saudita
    Irã vê mão saudita no golpe fracassado na Turquia
    Atentados suicidas ocorrem perto de mesquitas na Arábia Saudita
    Explosivos são encontrados em consulado dos EUA na Arábia Saudita
    Tags:
    cooperação militar, acordos, contratos, venda de armas, Arábia Saudita, EUA
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik