04:01 23 Outubro 2018
Ouvir Rádio
    Major General Igor Konashenkov, porta-voz do Ministério da Defesa da Rússia

    Moscou explica recusa dos EUA em reconhecer eliminação de líder do Daesh pela Rússia

    © Sputnik / Aleksandr Vilf
    Oriente Médio e África
    URL curta
    6361

    O Pentágono está chamando de "piada" a informação sobre a eliminação da segunda figura mais importante do grupo terrorista Daesh (Estado Islâmico) pela Rússia para tentar justificar o seu desconhecimento sobre o caso, declarou hoje (2) o porta-voz oficial do Ministério da Defesa da Rússia, major-general Igor Konashenkov.

    Na quarta-feira (31), o Ministério da Defesa da Rússia anunciou que caças russos Su-34 atingiram o local na cidade de Aleppo onde ocorria uma reunião do Daesh, matando mais de 40 terroristas, inclusive a segunda figura mais importante do grupo extremista, Abu Mohammed al-Adnani.

    A notícia foi recebida com forte desprezo pelos. O representante do Pentágono, Peter Cook, disse que os Departamento de Defesa americano não possui nenhuma informação sobre este ataque aéreo russo.

    "Não há nada de surpreendente de o Pentágono não possuir qualquer informação sobre o ataque da aviação russa em 30 de agosto. Já faz um ano que representantes dos EUA declaram quasae diariamente que não de maneira algum coordenam quaisquer operações militares na Síria com a Rússia. Senhores, de onde então vocês poderiam obter esses dados" – disse Konashenkov.

    "Portanto, declarações de fontes anônimas do Pentágono, de que a eliminação do terrorista al-Adnani é uma "piada", é a única coisa que eles podem dizer para justificar a sua ignorância" – concluiu o major-general russo.

    Abu Mohammed al-Adnani era o segundo homem na hierarquia do Daesh, depois de Abu Bakr al-Baghdadi, sendo considerado o seu representante oficial no trabalho com a imprensa e famoso pelos seus apelos a realizar atentados nos países da Europa Ocidental e nos EUA.

    Tags:
    recusa, eliminação, líder, Daesh, Igor Konashenkov, Abu Mohammed al-Adnani, Síria, Moscou, EUA, Rússia
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik