22:38 17 Agosto 2019
Ouvir Rádio
    Timbuktu, Mali

    Jihadista pede perdão ao mundo por destruir Timbuktu

    © flickr.com/ Johannes Zielcke
    Oriente Médio e África
    URL curta
    486

    Um jihadista do Mali declarou-se culpado nesta segunda-feira (22) por atacar a lendária cidade de Timbuktu, onde derrubou antigos santuários muçulmanos com picaretas ao lado de outros fundamentalistas, e implorou perdão ao mundo.

    Na abertura de seu julgamento por crimes de guerra perante o Tribunal Penal Internacional (TPI), Ahmad al-Faqi al-Mahdi também pediu que outros muçulmanos não sigam tais caminhos "do mal".

    Mahdi, um ex-professor e acadêmico islâmico, é a primeira pessoa a confessar-se culpada perante o TPI e a primeira a enfrentar uma acusação solitária pelo crime de guerra de dirigir um ataque contra um monumento histórico ou religioso.

    "Reconheço que sou culpado", disse Mahdi, depois de lida a acusação decorrente do ataque de 2012 sobre o património mundial da UNESCO, quando um grupo de jihadistas islâmicos varreu o norte remoto do Mali.

    Armados com vídeos, gráficos e imagens de 360 graus, os procuradores do TPI minuciosamente catalogaram diante dos três juízes a destruição na cidade do oeste da África, apelidada de "A Pérola do Deserto".

    Com cerca de 40 anos, Mahdi é também o primeiro extremista islâmico a comparecer perante o tribunal de Haia, inaugurado em 2002 para julgar os piores crimes do mundo. O jihadista também é o primeiro a enfrentar acusações decorrentes do conflito no Mali.

    Ele é acusado de "atacar intencionalmente" nove dos famosos mausoléus de Timbuktu, bem como a mesquita Sidi Yahia, entre 30 de junho e 11 de julho de 2012.

    Mais:

    Pequim promete ignorar decisão de Haia sobre Mar do Sul da China
    Promotora do Tribunal de Haia diz não poder investigar Estado Islâmico
    Rússia quer ajuda da UNESCO na restauração do patrimônio destruído por terroristas
    Tags:
    perdão, julgamento, crime de guerra, mesquita, mausoléus, destruição, patrimônio mundial, UNESCO, Tribunal Penal Internacional, Ahmad al-Faqi al-Mahdi, Haia, Mali, Timbuktu
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar