02:10 18 Agosto 2017
Ouvir Rádio
    Militar do Exército sírio na província de Hama, Síria, agosto de 2016

    Especialista russo: China vai desempenhar um papel mais importante na Síria

    © Sputnik/ Khaled Alkhateb
    Oriente Médio e África
    URL curta
    73590342

    China pode aumentar ajuda militar à Síria e cooperar com a Rússia nos esforços para estabilizar a região.

    O chefe da Comissão Militar de Cooperação Internacional da China Guan Yufei visitou recentemente Damasco e prometeu aumentar a ajuda "humanitária" às forças armadas sírias e intensificar o treinamento dos militares sírios na China. Tal solução pode ser de grande importância para o avanço dos combates na Síria. A China pode fornecer ajuda militar juntamente com a Rússia, disse em um comentário para a Sputnik o especialista militar russo Vasily Kashin.

    “Veículos automóveis, comunicações, medicina, máquinas de engenharia – tudo isso é agora necessário para o exército sírio, tal como armas. Quanto a treinamento de pessoal, a China tem vantagens significativas. Alguns dos sistemas de armas usados no teatro de operações militares sírio ainda continuam sendo utilizados pelo exército chinês.”

    O especialista russo afirma que a China aumenta seu papel no conflito para alcançar seus objetivos internos. A Síria agora se tornou um lugar que atrai adeptos de movimentos radicais islâmicos de todo o mundo. O número de militantes que vieram para lá a partir da região chinesa de Xinjiang equivale a muitas centenas de homens. Estes militantes têm na Síria suas próprias escolas e acampamentos de treinamento militar. A China está interessada na destruição desses extremistas antes de eles regressarem ao território chinês, espalhando suas redes terroristas entre a população muçulmana chinesa de Xinjiang.

    Neste momento, com a luta feroz nos arredores de Aleppo, a guerra na Síria está entrando numa fase decisiva. Todos os países envolvidos no conflito estão agora aumentando seus esforços porque nos próximos meses será decidido quem irá determinar o futuro da região no pós-guerra. Portanto, para a China, como uma grande potência, talvez o melhor momento para intervir seja agora, concluiu Vasily Kashin.

    Mais:

    EUA 'devem se juntar à coalizão antiterrorista liderada pela Rússia' na Síria
    Rússia e Turquia mantêm diálogo construtivo sobre Síria, apesar das divergências
    EUA: ataques russos não contribuem para paz na Síria
    Tags:
    apoio, terrorismo, Síria, China
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik