03:05 16 Setembro 2019
Ouvir Rádio
    Em 14 de dezembro, na cidade de Bangui, um soldado da ONU na frente de uma parede com a inscrição que diz Sim em francês

    Quando serão investigados os crimes de militares franceses na África?

    © AFP 2019 / MARCO LONGARI
    Oriente Médio e África
    URL curta
    140
    Nos siga no

    Em dezembro de 2013, de acordo com um pedido do governo da República Centro-Africana, a França iniciou uma intervenção no país africano para fazer parar os combates entre grupos muçulmanos e cristãos dentro do país (chamada operação Sangaris). Mas a presença dos 2 mil militares franceses foi acompanhada de escândalos.

    Há dois anos (em 2014), a mídia local africana revelou informações sobre os crimes sexuais cometidos pelos militares franceses em serviço na operação Sangaris. Segundo a mídia, as vítimas eram crianças locais. Depois destas revelações, a promotoria militar iniciou um inquérito, mas não foi imputada qualquer culpa aos militares.

    O novo presidente eleito Faustin-Archange Touadéra comenta a situação numa entrevista à Sputnik França, dizendo que agora o país percorre o rumo de recuperação da paz.

    Atualmente no país, além da operação Sangaris, está em curso uma missão de estabilização da ONU chamada MINUSCA, mas o presidente Faustin-Archange Touadéra considera que o mandato da missão deve ser alargado, porque o povo precisa de uma segurança mais eficaz.

    O presidente apela ao desarmamento dos grupos radicais e ao mesmo tempo pede que seja levantado o embargo ao fornecimento de armas para reconstruir o exército do país e garantir a segurança no âmbito da constituição.

    O novo governo espera o apoio da comunidade internacional e dos institutos financeiros para recuperar a economia. Os objetivos principais do programa do presidente Touadéra são o desarmamento, a desmobilização e a reintegração.

    Falando sobre o escândalo de Sangaris, o presidente espera que a justiça francesa faça todo o necessário para punir os culpados de estupro, assinalando que o governo está muito preocupado e segue atentamente todas as informações sobre esta questão.

    A nossa agência também teve conhecimento desta situação terrível. Os correspondentes da Sputnik França conseguiram se comunicar com vítimas deste trágico evento e essa entrevista será publicada em breve no nosso site. Não perca!

    Mais:

    Rússia se oferece para construir reator nuclear na África do Sul
    Zika chega pela primeira vez à África, alerta OMS
    República Centro-Africana registra 17º caso de abuso sexual envolvendo funcionários da ONU
    Tags:
    crimes, militares, estupro, Sangaris, ONU, Faustin-Archange Touadéra, República Centro-Africana, África, França
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar