12:38 18 Junho 2018
Ouvir Rádio
    Sistema de mísseis S-300

    Fornecimento de S-300: Irã está satisfeito, a região está segura

    © Sputnik / Pavel Lisitsyn
    Oriente Médio e África
    URL curta
    4283

    A Rússia continua cumprindo suas obrigações perante o Irã quanto ao fornecimento de sistemas antiaéreos S-300. A parte iraniana está satisfeita com a realização do contrato comercial.

    "Considerando que a Rússia está cumprindo suas obrigações e está realizando fornecimentos em conformidade com o gráfico aprovado, o Irã não tem razões para queixas", disse o representante oficial do Comitê de Segurança Nacional e Política Externa do Parlamento do Irã Hossein Naghavi Hosseini à agência iraniana ISNA.

    O parlamentário do Irã também expressou a confiança de que o contrato comercial será realizado completamente até ao fim de 2016, como preveem as obrigações acordadas.

    Hoje o Irã não tem razões para pretensões nesta questão, disse à Sputnik o analista de relações entre a Rússia e o Irã Ahmad Vakhshiteh.

    "Irã e Rússia percebem a importância da cooperação bilateral. Na verdade, algum tempo atrás o Irã realmente teve pretensões sobre demoras de fornecimento dos S-300. A realização do contrato foi interrompida por razões objetivas. […] Agora esta questão está plenamente regulada", afirma Vakhshiteh. 

    Segundo ele, os S-300 se tornaram o símbolo da amizade e cooperação eficaz no domínio da defesa entre Irã e Rússia. O Irã vai utilizar os sistemas de defesa antiaérea para demonstrar sua capacidade militar.

    ​Além disso, segundo o analista, a cooperação militar entre os dois países é a garantia da estabilidade e segurança não só na Síria, no Iraque e no Oriente Médio, mas também nos países da Ásia Central.

    Mais:

    Irã disposto a ajudar a Rússia na Síria
    Rússia continuará a ajudar o Irã a desenvolver seu programa nuclear
    Tags:
    comentário, defesa, acordo comercial, analista, fornecimento, cooperação, S-300, Irã, Rússia
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik