00:57 04 Julho 2020
Ouvir Rádio
    Oriente Médio e África
    URL curta
    10421
    Nos siga no

    De acordo com o Ministério, os bombardeiros destruiram 6 grandes armazéns, 2 tanques, 4 veículos de combate de infantaria, assim como 2 postos de comando do Daesh na Síria.

    Os bombardeiros russos voltaram para o aeroporto de baseamento na Rússia após a realização bem sucedida de ataques contra o Daesh (organização terrorista proibida na Rússia).

    Os Tu-22M3 partiram de um aeródromo no território da Rússia, atacaram os terroristas com bombas de fragmentação e incendiárias nas áreas a sudeste, oeste, leste e nordeste de Deir ez-Zor.

    Os ataques destruíram dois postos de controle dos terroristas, seis grandes paióis de munições, dois tanques e quatro veículos de combate de infantaria, sete veículos com armas de grande calibre montadas e um grande número de jihadistas, diz a declaração do Ministério da Defesa.

    ​Os bombardeiros foram escoltados por aviões Su-30SM e Su-35S, que partiram do aeródromo de Hmeymim.

    O Ministério de Defesa sublinhou que, após a execução da missão, todos os aviões russos regressaram aos seus aeródromos de baseamento.

    Em 30 de setembro de 2015, Moscou começou sua campanha antiterrorista na Síria, a pedido de Damasco, durante a qual a Força Aeroespacial Russa realizou ataques aéreos contra alvos do Daesh (organização terrorista proibida na Rússia).

    Em meados de março, o presidente russo Vladimir Putin ordenou ao ministro da Defesa da Rússia Sergei Shoigu que iniciasse a retirada da maior parte da força militar da Síria, depois de cumprido seu objetivo, deixando lá um contingente reduzido.

    Mais:

    Força Aeroespacial russa 'quebra a espinha' do terrorismo mundial na Síria
    Forças democráticas da Síria retomam controle de Manbij
    EUA tentam pressionar Rússia na Síria
    'Caminho de vida para Aleppo': primeira reportagem da cidade síria sitiada
    Tags:
    combate ao terrorismo, ataque aéreo, Daesh, Deir ez-Zor, Síria, Rússia
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar