21:59 22 Outubro 2018
Ouvir Rádio
    Militares sírios acenam com as mãos depois de ter tomado o controle da vila de Kiffin, província de Aleppo, Síria, 11 de fevereiro de 2016

    EUA tentam pressionar Rússia na Síria

    © AFP 2018 / GEORGE OURFALIAN
    Oriente Médio e África
    URL curta
    8430

    A ofensiva dos rebeldes em Aleppo foi organizada com a ajuda de forças estrangeiras, escreveu nesta sexta (12) o jornal Financial Times.

    Rebeldes e ativistas da oposição armada síria, entrevistados pelo Financial Times, disseram que durante os combates eles receberam novas armas, dinheiro e munições.

    "Ontem vimos dezenas de caminhões que atravessaram a fronteira com armas. Isso acontece todos os dias durante várias semanas. <…> Armas, artilharia, não se trata apenas de munições ou fuzis", disse um ativista que atravessou a fronteira turco-síria e preferiu não revelar seu nome.

    Outros rebeldes entrevistados pelos jornalistas do FT comunicaram, que o dinheiro e o equipamento militar vêm de potências regionais – Arábia Saudita e Qatar através da fronteira turco-síria.

    O ataque dos rebeldes contra posições das forças do governo sírio, ou o assim chamado rompimento do cerco de Aleppo, foi organizado e realizado pelos jihadistas do grupo Jabhat Fatah al Sham (anteriormente conhecido como grupo terrorista Frente al-Nusra, proibido na Rússia), diz a publicação.

    Alguns rebeldes afirmam que oficiais americanos, responsáveis pelo apoio à "oposição moderada" na Síria, intencionalmente ignoraram o envolvimento de jihadistas no ataque, a fim de assegurar o sucesso do avanço de rebeldes.

    "Claro que os norte-americanos sabiam o que estava acontecendo, eles ignoraram-no para pressionar a Rússia e o Irã", escreveu o jornal, citando um diplomata ocidental não identificado.

    A trégua entre as forças governamentais da Síria e grupos armados da oposição entrou em vigor a partir de 27 de fevereiro. Porém, a dita trégua não se aplica às organizações Daesh (grupo terrorista proibido na Rússia), Jabhat Fatah al Sham e outras formações reconhecidas como terroristas pela ONU. 

    Não há uma frente unida de combate contra o Daesh (organização terrorista proibida na Rússia e em muitos outros países). Contra esse grupo lutam forças governamentais da Síria (com apoio da aviação russa) e do Iraque, a coalizão internacional liderada pelos EUA (limitando-se a ataques aéreos), assim como milícias xiitas libanesas e iraquianas. Uma das forças mais eficazes que combatem o Daesh são as milícias curdas tanto no Curdistão iraquiano, como no Curdistão sírio.

    Mais:

    Rússia e Turquia estão prontas para cooperar na resolução da crise síria
    'Terroristas não têm nenhuma chance contra Assad' – Turquia apoia Rússia na Síria
    Acordo entre Rússia e Turquia pode impedir planos dos EUA e rebeldes na Síria
    Tags:
    oposição moderada, entrega, rebeldes, armas, apoio, terrorismo, Jabhat Fath al-Sham, Daesh, ONU, Qatar, Turquia, Arábia Saudita, Síria, EUA, Rússia
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik