01:42 24 Junho 2021
Ouvir Rádio
    Análise
    URL curta
    Por
    0 181
    Nos siga no

    Para especialista em comunicação de dados ouvido pela Sputnik Brasil, a participação do governo brasileiro no projeto de construção de um cabo submarino entre América do Sul e Oceania aumentará a segurança das conexões e poderá oferecer ganhos econômicos para o Brasil.

    Na última quinta-feira (13), o governo brasileiro anunciou sua adesão ao projeto de construção do primeiro cabo submarino transoceânico de fibra óptica que ligará a América do Sul à Ásia e Oceania, se juntando a um consórcio formado pelos governos de Argentina, Austrália, Chile e Nova Zelândia.

    O projeto é uma iniciativa da companhia estatal chilena Desarrollo País, e está sendo chamado de Humboldt, após uma votação na Internet, segundo o site da empresa. O nome faz referência ao geógrafo e explorador alemão Alexander von Humboldt, responsável por uma das primeiras expedições científicas na América do Sul, no início do século XIX.

    Com um custo estimado de 400 milhões de dólares (cerca de R$ 2,1 bilhões), o cabo conectará a cidade de Valparaíso, no Chile, com Sydney, na Austrália, passando também pela Nova Zelândia. Ao todo, o cabo terá 14.810 quilômetros de extensão e será formado por um sistema de oito fibras ópticas, cuja capacidade inicial de transmissão de dados será de aproximadamente 400 gigabits por segundo (Gbps). Após a instalação desse cabo, a conexão com o continente asiático será feita por outros cinco cabos que já estão instalados e em funcionamento.

    O cabo Humboldt que conectará o Chile e a América do Sul com Ásia e Oceania, através do Pacífico, começa a tomar forma. Hoje [13], o Brasil anunciou a sua participação no projeto que permitirá melhorar a conectividade em ambos os continentes, o que beneficiará mais de 600 milhões de pessoas.

    De acordo com uma nota conjunta divulgada pelos ministérios das Comunicações e das Relações Exteriores do Brasil, o projeto permitirá o aumento do volume do tráfego de dados entre América do Sul, Oceania e Ásia, "as regiões que mais crescem em demanda por Internet no mundo", e também aumentará a disponibilidade e a confiabilidade da transmissão de dados.

    "O projeto também completará a conexão por fibra óptica do Brasil com seus vizinhos, consolidando a infraestrutura digital regional e posicionando o Brasil como líder da transformação digital e do mercado digital na região", acrescentou o governo na nota.

    Instalação de cabo submarino de fibra óptica
    © AP Photo / Ariana Cubillos
    Instalação de cabo submarino de fibra óptica
    Em entrevista à Sputnik Brasil, o engenheiro Luiz Claudio Schara Magalhães, professor do Laboratório de Comunicação de Dados da Escola de Engenharia da Universidade Federal Fluminense (UFF), afirma que é preciso voltar um pouco no tempo para entender a importância dos cabos submarinos.

    "Antes de serem lançados os satélites, [...] a única maneira de se falar de forma rápida, de forma transatlântica entre os continentes, era usando os cabos submarinos", conta Luiz Claudio.

    No entanto, segundo o especialista, com o advento dos satélites, os cabos caíram em desuso, pois sua instalação era cara e os mesmos eram feitos de cobre, que tinham muitos problemas e requeriam a instalação de estações de reforço.

    Funcionários da EllaLink fazem ajustes no cabo de fibra óptica
    © Foto / Divulgação
    Funcionários fazem ajustes no cabo de fibra óptica
    Com o surgimento da fibra óptica, os cabos voltaram a se tornar atraentes, já que "possuem tanta banda quanto um enlace de satélite, e tendem a ter um atraso muito menor, porque você vai sobre a superfície da Terra, ao invés de subir 36.000 km até o satélite e descer 36.000 km", opina Luiz Claudio, que acrescenta que os cabos hoje compõem a "espinha dorsal" da comunicação na Internet.

    Além disso, o professor da UFF assinala que o cabo ligando a América do Sul com a Oceania permitirá um caminho direto entre essas regiões, oferecendo uma alternativa à conexão que passa entre os Estados Unidos e a Europa, o que aumenta a segurança das transmissões de dados e reduz a dependência dos cabos que ligam outros países. 

    "Ter vários cabos de fibra óptica saindo do Brasil também permite redundância. No caso de falha de um deles, você pode rotear a sua Internet para os outros caminhos", afirma Schara Magalhães.

    Nesse sentido, o especialista ressalta que é muito importante participar desses consórcios, pois isso permite que o Brasil seja "dono da sua infraestrutura", o que tem benefícios estratégicos, como explicitado na questão da segurança, e também comerciais.

    "Essas fibras [ópticas] não ficam ociosas. Mesmo que o nosso tráfego não seja muito grande, essas fibras podem ser emprestadas, trocadas. Então, existe um mercado para isso, e é bom ser dono de fibra para ter alguma coisa de valor para ser trocado nesse mercado", opina o engenheiro e professor.

    As opiniões expressas nesta matéria podem não necessariamente coincidir com as da redação da Sputnik

    Mais:

    'Cabos de fibra ótica são vitais para a Internet hoje em dia', avalia engenheiro
    Argentina e Chile querem construir cabo óptico submarino para Oceania e Ásia
    Castores mordem cabos de fibra e deixam metade de cidade do Canadá sem Internet (FOTO)
    Tags:
    cooperação internacional, cabos submarinos, Internet, Oceania, América do Sul, Brasil
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar