23:13 26 Setembro 2021
Ouvir Rádio
    Análise
    URL curta
    247
    Nos siga no

    Mesmo perdendo popularidade, os números da avaliação positiva do governo do presidente Jair Bolsonaro ainda são, até certo ponto, consideráveis, opina o cientista político Alberto Carlos Almeida, destacando que o eleitorado "baixou um pouco o sarrafo".

    Uma pesquisa divulgada ontem (22) pela Confederação Nacional do Transporte e o Instituto MDA mostrou uma significativa queda de popularidade do presidente Jair Bolsonaro e de seu governo.

    Segundo o levantamento, em apenas quatro meses, o índice de aprovação pessoal do chefe de Estado caiu de 52% (outubro de 2020), para 43,5% (fevereiro de 2021), enquanto a aprovação da sua administração caiu de 41,2% para 32,9% no mesmo período. Mas quais seriam as possíveis causas dessa queda de popularidade e como ela pode impactar nas diretrizes do governo? 

    De acordo com o cientista político Alberto Carlos Almeida, diretor do instituto de pesquisas BRASILIS, a recente pesquisa CNT sobre a avaliação do governo Bolsonaro mostra uma tendência observada também em outros levantamentos. Apesar das quedas, esses números de aprovação, acima dos 30%, não são necessariamente ruins, conforme explica o especialista.

    "Quando lembramos a reeleição de Dilma Rousseff [2014], vamos ver que ela venceu — apertado, mas venceu, em sua reeleição — quando tinha 36% de ótimo e bom. Alguém pode pensar: 'Bom, mas se fosse agora, com menos de 36%, Bolsonaro perderia.' Sim, seria uma eleição difícil. Eu não sei se perderia porque na recente eleição para prefeito, em 2020, muitos prefeitos foram reeleitos com avaliações ruins, coisa que não aconteceu em 2016, tampouco em 2012, nas eleições municipais", disse à Sputnik Brasil.

    ​Os números das últimas eleições mostram, segundo Almeida, que "o eleitorado baixou um pouco o sarrafo", o nível de exigência com os prefeitos, provavelmente, por conta do nível de crise que o país está enfrentando.

    "Não sabemos se vai fazer o mesmo em relação ao presidente da República. Pode ser que sim, pode ser que não."

    Ao longo dos últimos meses, o governo federal fez alguns ajustes em relação a alguns assuntos de grande importância para a população, sendo o mais evidente deles a decisão de abraçar, de maneira mais efetiva, os esforços de vacinação contra a COVID-19. 

    Por outro lado, a retirada do auxílio emergencial tem sido apontada como principal fator para as quedas na aprovação do presidente e de seu governo. 

    ​"Essa pesquisa converge com as outras empresas de pesquisa, aponta o mesmo número. E as pessoas já perceberam que não há mais auxílio emergencial. Então, nesse aspecto, é algo que é uma boa notícia do ponto de vista de Bolsonaro. Basicamente, a pesquisa está dizendo — vamos ver se isso será confirmado por pesquisas que sairão mais adiante —, basicamente, a pesquisa está afirmando que, depois da retirada completa e da percepção, já sedimentada, junto ao eleitorado, de que acabou o auxílio emergencial pelo menos em sua primeira versão, em sua primeira rodada, a avaliação parou de cair. Então, é por isso que se trata, do ponto de vista de Bolsonaro, de uma boa notícia." 

    As opiniões expressas nesta matéria podem não necessariamente coincidir com as da redação da Sputnik

    Mais:

    Ciro diz que quer 'capturar um pedaço de centro-direita para uma ampla aliança na centro-esquerda'
    Haddad defende aliança contra Bolsonaro no 2º turno em apoio a 'qualquer que seja o representante'
    Lula vê Bolsonaro com chances de reeleição e defende candidatura própria do PT em 2022
    Ibope: popularidade de Bolsonaro varia entre 18% e 66% nas capitais
    Governo Bolsonaro termina 2020 com popularidade em alta, diz pesquisa
    Tags:
    Brasil, Jair Bolsonaro, popularidade, aprovação, eleições, presidente, CNT, pesquisa, política
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar