23:04 25 Fevereiro 2021
Ouvir Rádio
    Análise
    URL curta
    9254
    Nos siga no

    A postura do chanceler brasileiro Ernesto Araújo gera incertezas sobre o relacionamento do país com os EUA na futura gestão Joe Biden. Para discutir o assunto a Sputnik Brasil ouviu Denilde Holzhacker, professora de Relações Internacionais, que prevê o isolamento da diplomacia brasileira.

    A cinco dias da posse do novo presidente dos Estados Unidos, o democrata Joe Biden, o apoio aberto do ministro das Relações Exteriores do Brasil, Ernesto Araújo, ao atual ocupante da Casa Branca, Donald Trump, tem gerado preocupações sobre o futuro próximo da relação entre os países.

    Para Denilde Holzhacker, professora de Relações Internacionais da Escola Superior de Propaganda e Marketing de São Paulo (ESPM/SP), a situação do chanceler brasileiro já vem sendo questionada por sua posição em diversos temas da agenda da política externa. Segundo ela, as atitudes recentes do chanceler pioraram a situação.

    "A pressão de muitos setores econômicos tem sido cada vez maior. Na gestão Biden, nas últimas semanas, a atitude que ele [Araújo] vem tomando, pública, de se posicionar na questão da invasão do Capitólio, no questionamento sobre a atuação das empresas de tecnologia que baniram o Trump [...] essas ações tornam ele cada vez menos capaz de ser o representante brasileiro em um diálogo com Biden", afirma a professora em entrevista à Sputnik Brasil.

    Holzhacker ressalta que há uma expectativa de que, diante de uma "pressão crescente", Araújo perca o cargo em uma possível reforma ministerial. A especialista alerta, no entanto, que uma outra possibilidade é de que o chanceler permaneça, mas não seja o responsável direto do contato com a Casa Branca.

    "Uma hipótese é de que o vice-presidente [Hamilton] Mourão se torne um porta-voz mais ativo em termos de política externa, mas acho que quanto a isso ainda há um grau de incerteza. A certeza que a gente tem é que a forma como ele vem atuando e o modelo de comunicação do Ernesto torna ele praticamente inviável no diálogo e na representação dos interesses do Brasil", avalia a pesquisadora.

    O chanceler Araújo é crítico de laços com a China, além de manifestar posições contrárias à atuação de órgãos multilaterais como a Organização das Nações Unidas (ONU). Araújo também já deu declarações atribuindo a pandemia da COVID-19 a uma conspiração global. Uma reportagem publicada pela revista Piauí revelou em dezembro de 2020 que as posições do chanceler encontram resistência entre os diplomatas do Itamaraty.

    A professora Denilde Holzhacker acredita que a postura do chanceler será motivo de conflito com a gestão Biden em áreas como o meio ambiente e os direitos humanos, mas que o acirramento deve existir com ou sem Araújo.

    "Pelo menos o cenário mais provável neste momento é que mesmo que tenha uma mudança do ministro, com a retórica e com as ações do governo Bolsonaro, a gente continue cada vez sendo mais isolado nas relações regionais e os EUA busquem outras parcerias com países da região", afirma a professora, que acrescenta que a relação Brasil-EUA pode se tornar algo "protocolar".
    Secretário de Estado dos EUA, Mike Pompeo, durante encontro com o chanceler brasileiro, Ernesto Araújo, em Boa Vista (RR), 18 de setembro de 2020
    © AP Photo / Bruno Mancinelle
    Secretário de Estado dos EUA, Mike Pompeo, durante encontro com o chanceler brasileiro, Ernesto Araújo, em Boa Vista (RR), 18 de setembro de 2020

    Um fator que deve reforçar esse cenário, segundo a professora, é a demora de Bolsonaro para reconhecer a vitória de Biden nas eleições presidenciais nos EUA. Bolsonaro foi um dos últimos chefes de Estado do mundo a reconhecer a vitória de Biden, mas chegou a declarar que houve fraude no processo eleitoral norte-americano, além de nunca ter escondido a simpatia pelo projeto político de Donald Trump

    "Isso é parte das estratégias domésticas, manter os seus grupos de apoio interno, o que o Bolsonaro está fazendo, mas que vai ter um reflexo muito grande na postura do governo Biden. Então, o que a gente vai esperar aí é um relacionamento de muito pouca relação entre os dois países e entre os dois presidentes", diz a pesquisadora da ESPM.

    Para Holzhacker, a postura do atual governo brasileiro será responsável pelo isolamento do país no cenário internacional.

    "Pela estratégia que tem feito e pelas posturas que o governo brasileiro tem adotado, a gente pode esperar cada vez mais um isolamento do Brasil frente aos grandes países, não só os EUA, mas Europa e também dificuldades em outras agendas", conclui.

    As opiniões expressas nesta matéria podem não necessariamente coincidir com as da redação da Sputnik

    Mais:

    Apesar da derrota, 'é difícil para o Bolsonaro abandonar Donald Trump', afirma cientista político
    Mourão: Bolsonaro vai esperar terminar recursos de Trump para cumprimentar Joe Biden 'na hora certa'
    Trump aceita derrota e condena invasão do Capitólio: 'Profanaram a democracia' (VÍDEO)
    Tags:
    Itamaraty, Ernesto Araújo, Donald Trump, Joe Biden, Denilde Holzhacker
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar