04:36 27 Julho 2021
Ouvir Rádio
    Análise
    URL curta
    1112
    Nos siga no

    Especialistas entrevistados pela Sputnik creem que o novo presidente norte-americano trará uma abordagem renovada diante de Pequim, mas são reticentes quanto à estratégia fundamental de oposição entre os dois países.

    Com os Estados Unidos se preparando para a transição de poder, muitos políticos estão pedindo à nova administração Biden que se envolva em um diálogo construtivo com Pequim, após a presidência de Donald Trump, na qual as relações entre os dois países atingiram um ponto baixo, mesmo com uma forte interdependência econômica.

    Segundo especialistas ouvidos pela Sputnik, há uma possibilidade de as relações bilaterais mudarem, mas é improvável que Washington decida parar de pressionar Pequim completamente, pois isso contradiz os interesses geopolíticos e econômicos do país norte-americano, embora seja pouco provável que Biden vá cometer os mesmos erros que Trump na sua política diante da China.

    Tanto a população como a liderança política dos EUA compartilham a visão da República Popular da China como uma ameaça estratégica em diferentes campos, o que significa que as relações entre os dois países não se desenvolverão facilmente. No entanto, especialistas acreditam que as relações com Pequim melhorarão de qualquer forma com Biden no poder.

    Hora de começar do zero?

    Uma das opções para reconstruir as pontes entre Washington e Pequim seria retomar as negociações sobre a segunda fase do acordo comercial entre os dois países, disse Aleksei Maslov, diretor do Instituto de Estudos do Extremo Oriente na Academia de Ciências da Rússia, em uma entrevista em novembro. Esses passos consistiriam em reduzir a pressão sobre Pequim e deixar de lado a retórica dura, particularmente em relação a críticas à ideologia chinesa.

    Imagem de Xi Jinping, presidente da China, dentro de um edifício no Centro de Lançamento Espacial Wenchang, na província de Hainan, China, 23 de novembro de 2020
    © REUTERS / Tingshu Wang
    Imagem de Xi Jinping, presidente da China, dentro de um edifício no Centro de Lançamento Espacial Wenchang, na província de Hainan, China, 23 de novembro de 2020

    Fala-se agora também de um retorno à política de cooperação, mas embora os EUA devam abandonar seus planos de exercer pressão sobre a China, isso apenas ocorrerá se encaixar nos interesses de Washington. Dado o nível de concorrência entre estes países, tal só seria possível a longo prazo.

    Outra opção, de acordo com Maslov, seria um reinício rápido, o que significa que os Estados Unidos reduziriam significativamente as tarifas para se abrir aos produtos chineses.

    Os EUA não vão querer que surja um país como a China, que possa arruinar seus planos políticos, econômicos e culturais no mundo, que continuam tendo influência na Ásia-Pacífico, bem como no resto do mundo. A China é um grande problema para a Casa Branca, e o novo presidente fará o que tiver que fazer para tornar a situação favorável a ele.

    Prognóstico promissor

    "Cada presidente tem sua própria política estratégica durante seu mandato presidencial. Para Biden, é praticamente impossível seguir o mesmo rumo político de Trump. Além disso, copiar a política do presidente anterior é tabu. É por isso que esperamos que a mudança de presidente altere as relações entre os dois países", avalia Jia Lieying, especialista em relações internacionais do Instituto Chinês de Línguas Estrangeiras, à Sputnik.

    "Em outras palavras, eu não sou pessimista. E, no fim das contas, é provável que os dois lados estejam caminhando para uma relação completamente diferente. No entanto, do ponto de vista da estratégia geral, é improvável que o cenário no qual os EUA contêm a China mude. Mas a abordagem da nova administração não será tão extrema quanto a de Trump", disse ele.

    Além disso, concluiu, que a cooperação entre a China e os Estados Unidos em certos campos será mais possível: no comércio e na política econômica, no fortalecimento da cooperação nos campos do clima e da saúde, etc. Nesses campos, há menos fatores políticos, e "eles não representam questões de vida ou morte".

    As opiniões expressas nesta matéria podem não necessariamente coincidir com as da redação da Sputnik

    Mais:

    Presença da China na América Latina será desafio para administração Biden, avaliam especialistas
    À espera da posse de Biden e anulação das sanções, Irã planeja aumentar produção de petróleo
    Rússia espera retorno dos EUA ao acordo nuclear iraniano
    Joe Biden pretende retornar ao acordo nuclear com Irã
    União Europeia propõe aos EUA nova aliança em meio a desafios apresentados pela China, diz FT
    Analista: apesar de críticas de Obama, 'governo Biden' visa aproximação com Brasil
    Tags:
    Academia de Ciências da Rússia, Casa Branca, Sputnik News, Sputnik, EUA, China, Xi Jinping, Joe Biden, Donald Trump
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar