21:23 20 Outubro 2021
Ouvir Rádio
    Análise
    URL curta
    Por
    180
    Nos siga no

    Em entrevista à Sputnik Brasil, Paulo Gracino Júnior, professor de sociologia política do Instituto Universitário de Pesquisas do Rio de Janeiro (Iuperj), acredita que os partidos de esquerda devem apoiar o grupo de Rodrigo Maia (DEM-RJ) – e não prevê vida fácil para Paulo Guedes caso Arthur Lira (PP-AL) seja o vencedor.

    Com a decisão do Supremo Tribunal Federal (STF) de vetar a reeleição de Rodrigo Maia (DEM-RJ), o futuro da presidência da Câmara dos Deputados fica em aberto.

    Nesta quarta-feira (9), foram formados dois blocos principais para a disputa da presidência da Câmara. O deputado federal Arthur Lira (PP-AL) — aliado do presidente Jair Bolsonaro — lançou sua candidatura, com o apoio do centrão: PL, PP, PSD, Solidariedade e Avante.

    Para fazer frente a Lira, seis partidos se uniram a Rodrigo Maia, atual presidente da Câmara: DEM, PSL, MDB, PSDB, Cidadania e PV. Este grupo reúne 163 deputados e deve anunciar o candidato até o próximo sábado (12).

    Paulo Gracino Júnior, professor de Sociologia Política do Instituto Universitário de Pesquisas do Rio de Janeiro, prevê uma disputa "muito parelha" entre estes dois grupos. O especialista analisa que, contra os 163 deputados de Maia, Lira soma 160 – ou seja, a disputa está em aberto.

    "Na verdade a eleição não tem maioria [para nenhum lado]. Se forem só estes dois candidatos, teríamos que esperar o alinhamento de forças", analisa Gracino.

    Na opinião de Gracino, há poucas chances de que outro candidato surja com força política suficiente para superar os blocos formados por Maia e Lira. Os partidos de esquerda, segundo ele, somam 123 deputados. Para este grupo, o especialista vê duas alternativas: ou se alinhar a algum dos outros dois blocos, ou lançar uma candidatura que não tem chance de prosperar.

    "É provável, pelo histórico que a gente tem visto, principalmente pelo Orlando Silva costurando [alianças] pelo lado da esquerda, que este bloco dos partidos de esquerda se afine com o bloco liderado pelo Rodrigo Maia", opina Gracino.

    No entanto, ele ressalva: a escolha de quem será o candidato do grupo de Maia será determinante para contar ou não com o apoio da esquerda.

    "Há nomes indigestos para os partidos de centro-esquerda, como Baleia Rossi (MDB-SP), Luciano Bivar (PSL-PE) e Marcos Pereira (Republicanos-SP), que é bispo da Igreja Universal", diz Gracino.
    Em Brasília, o deputado Arthur Lira (PP-AL), à esquerda, conversa com presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia (DEM-RJ), à direita, durante votação da reforma da Previdência, em 11 de julho de 2019
    © Folhapress / Pedro Ladeira
    Em Brasília, o deputado Arthur Lira (PP-AL), à esquerda, conversa com presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia (DEM-RJ), à direita, durante votação da reforma da Previdência, em 11 de julho de 2019

    O cenário político para Jair Bolsonaro

    Em uma eventual vitória de Arthur Lira, Gracino acredita que Bolsonaro teria mais facilidade para aprovar questões importantes para manter a popularidade entre seu eleitorado. Como exemplo de medidas como esta, ele cita a isenção de tarifas para importar armas

    No entanto, o especialista vê Lira como um presidente da Câmara que não teria "compromisso" com questões econômicas, como "meta fiscal ou superávit primário". Desta forma, ele acredita que a "ala do mercado", que já está em retração no governo Bolsonaro, ficaria ainda mais diminuta. 

    "Se o Paulo Guedes reclama do Maia, ele reclamaria ainda mais de um Arthur Lira na presidência. As questões de privatizações seriam dificultadas ao extremo, porque o centrão quer cargos nestas estatais, e sem estatais não há cargos", diz Gracino.

    Por outro lado, caso o candidato de Maia vença, Gracino analisa que o cenário para Bolsonaro vai depender do nome quer for lançado como candidato à presidência da Câmara.

    O professor acredita em um candidato de centro-direita que fortaleça o centro, garanta novo fôlego para Paulo Guedes e que enfraqueça o poder do presidente.

    "Dependendo de quem for o eleito, é possível que se veja um trabalho de apaziguamento da polarização política, porque eles sabem que quem ganha com a polarização são o PT e o Bolsonaro", finaliza Gracino.

    As opiniões expressas nesta matéria podem não necessariamente coincidir com as da redação da Sputnik

    Mais:

    'Nhonho': em novo ataque, ministro Salles ofende Rodrigo Maia em rede social
    Salles tem conta no Twitter apagada depois de chamar Maia de 'Nhonho', mas nega autoria
    Líder do governo diz que votação do STF sobre reeleição de Maia reforça tese da Constituinte
    Por 6 votos a 5, STF veta recondução de Maia e Alcolumbre no Congresso
    Tags:
    Câmara dos Deputados, Brasília, Brasil, política, Rodrigo Maia
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar