19:31 27 Outubro 2020
Ouvir Rádio
    Análise
    URL curta
    141
    Nos siga no

    O Ministério do Meio Ambiente (MMA) lançou na última quinta-feira (1º) o programa Floresta+ Carbono, que prevê o incentivo do mercado de serviços ambientais no país por meio da geração de créditos de carbono.

    De acordo com a pasta, o lançamento do programa é uma medida que visa o "fortalecimento do pagamento por serviços ambientais", criado para que empresas que não conseguem reduzir suas emissões de carbono possam compensá-las.

    A geração de créditos de carbono do programa Floresta+ Carbono funciona através da conservação e recuperação da vegetação nativa. Um crédito de carbono é equivalente a uma tonelada de CO2 que deixou de ser emitido para a atmosfera.

    ​O economista e mestre em Economia Ambiental e em Tecnologia Sustentável, Roulien Paiva Vieira, em entrevista à Sputnik Brasil, afirmou que é muito importante a criação de um programa como esse, pois reflete uma observação mais atenciosa para a floresta através do monitoramento e metrificação do crédito de carbono.

    "Com certeza um programa como este ajuda sim as florestas estarem de pé e em boas situações, ou seja, em boa qualidade de equilíbrio ambiental", disse.

    De acordo com ele, a mudança climática não advém somente da questão carbônica, mas vem de elementos que "geram uma concentração de poluição".

    "Se a gente gera uma concentração de poluição numa certa área, por exemplo, uma extração minerária, na qual eu não tenho um efetivo manejo ambiental, eu teria um problema de desequilíbrio ambiental naquele local e poderia causar transtorno em outras áreas. Cada bioma e cada estado deveria ter um rigoroso acompanhamento no processo de manejo entre o uso do ser humano para recursos naturais e que possamos ver a resposta da qualidade ambiental para com o país", afirmou.

    O especialista em Economia Ambiental observou que o combate aos problemas ambientais deve ser feito através do monitoramento de locais onde existem problemáticas para poder "tomar ações preventivas e pró-ativas, assim como ter a noção do iminente problema que se tem".

    "Se a gente tem um recurso que é escasso, que a gente tem um recurso que tem uma dependência dos demais elementos naturais, então eu posso ter toda uma questão econômica ou social completamente fragilizada por isso.

    O especialista citou o exemplo de Brumadinho, "onde a gente tem toda uma bacia hidrográfica, uma região que atingiu mais de um estado, que teve modificada a sua realidade em virtude de uma modificação ambiental".

    As opiniões expressas nesta matéria podem não necessariamente coincidir com as da redação da Sputnik

    Mais:

    Senado reúne assinaturas necessárias para abrir a CPI da Crise Ambiental
    'Perseguem o Brasil': Bolsonaro elogiará sua gestão ambiental e da COVID-19 na ONU, diz jornal
    ONGs alertam grupo francês Casino sobre venda de carne vinculada à destruição ambiental no Brasil
    Destruição ambiental: Brasil perdeu área do tamanho da Espanha em menos de 20 anos
    Tags:
    Brasil, emissão de gases, floresta, meio ambiente, Ministério do Meio Ambiente
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar