04:15 20 Outubro 2020
Ouvir Rádio
    Análise
    URL curta
    8191
    Nos siga no

    Segundo geólogo e professor de Gestão Ambiental Pedro Luiz Côrtes, além de perpetuar práticas culturais nocivas, o governo brasileiro incentiva o desmatamento ao desmontar as estruturas de fiscalização.

    Dados divulgados pelo IBGE mostram que o tamanho da devastação dos biomas brasileiros equivale ao território da Espanha. Entre 2000 e 2018, o Brasil perdeu 8,3% da vegetação natural. O bioma mais preservado nesse período, o Pantanal, viu o fogo destruir em 2020 o equivalente a dez vezes a área de vegetação perdida entre 2000 e 2018.

    Após os números assustadores do levantamento do IBGE, a perspectiva de 2019 e 2020 é de aumento na degradação do território brasileiro? Sputnik Brasil conversou sobre o tema com o geólogo Pedro Luiz Côrtes, pesquisador da Universidade de São Paulo (USP) e professor de Gestão Ambiental.

    Segundo ele, as perdas ambientais e a degradação do território brasileiro se verificam desde o período colonial, "diante de uma visão antropocêntrica", segundo a qual os recursos naturais devem atender às demandas dos homens e não precisam ser preservados. Ou seja, a queimada e o desmatamento existem há séculos e são praticamente um fator cultural.

    "Essa visão que nós temos predominante hoje é a mesma que verificamos ao longo de todo o período colonial. Ou seja, são práticas ancestrais que permanecem até hoje, degradando o meio ambiente sem que uma visão mais preservacionista ganhe lugar em relação a essa visão antropocêntrica", afirmou Pedro Luiz Côrtes.

    Ao comentar à pesquisa do IBGE, que englobou um período até 2018, o geólogo destacou que a Amazônia e o Cerrado foram os biomas mais afetados. Desde então, no entanto, ele lembrou que o Pantanal também está sendo vítima de uma tragédia ambiental, com uma devastação sem precedentes.

    "O crescimento recorde se justifica pela falta de fiscalização efetiva. Ao longo dos últimos anos nós tivemos uma redução na equipe do Ibama. Essa redução foi mais significativa a partir do ano passado, quando assumiu o novo governo. E nós temos, em pronunciamentos do governo, seja do presidente, seja do ministro do Meio Ambiente, muitas vezes críticas à fiscalização. Ou seja, além da fiscalização ter sido reduzida, o governo critica os procedimentos de fiscalização. Obviamente isso funciona como uma espécie de carta branca aos grileiros, a todos que querem fazer uma ocupação irregular de terras públicas", alertou o especialista.

    O professor destacou que muitas queimadas ocorrem em terras da União, sem qualquer tipo de ressarcimento ao governo pelo uso de terras públicas. Com a redução da fiscalização, a situação tende a ficar crítica.

    Segundo pesquisador, uma outra atitude a contribuir para previsões pessimistas na área ambiental seria o questionamento, por parte do governo, das informações e dados colhidos por cientistas e pesquisadores da área. Um exemplo disso seria a desconfiança do Planalto quanto aos dados do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (INPE), sem considerar que o instituto é um órgão do governo, com ligação muito forte com própria Força Aérea brasileira.

    "O governo insiste em criticar o Inpe, como se esse fosse um organismo independente, preocupado em atacar o governo, em só apresentar dados negativos. Os dados do Inpe são públicos e estão apresentados em seu site, é onde a imprensa vai buscar as informações", explicou o entrevistado.

    Dessa forma, reduzindo a fiscalização e a divulgação dos dados, sem atuar de forma contundente na preservação e reconstrução dos biomas, segundo Côrtes, os grupos interessados em práticas como desmatamento e queimadas se sentem acolhidos pela liderança federal.

    "A partir dos critérios científicos é possível reconstruir as áreas degradadas. Seja na Amazônia, seja no Cerrado, seja no Pantanal. É claro que, diante da destruição de certas áreas, essa recuperação pode ser muito lenta, mas ela é necessária. [...] Com isso você recompõe os biomas. Recompõe os serviços ecossistêmicos que esses biomas oferecem, como preservação dos recursos hídricos e climáticos. [...] e redução dos gases do efeito estufa", concluiu o professor.

    As opiniões expressas nesta matéria podem não necessariamente coincidir com as da redação da Sputnik

    Mais:

    Força-Tarefa em Defesa da Amazônia bloqueia R$ 570 milhões de desmatadores
    Países que pressionam Brasil por desmatamento são responsáveis por 10% do agronegócio brasileiro
    Bolsonaro na ONU: desmatamento está ligado ao fogo na Amazônia, e não indígenas, alerta cientista
    Tags:
    desmatamento, queimadas, análise, meio ambiente, Brasil
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar