06:05 25 Outubro 2020
Ouvir Rádio
    Análise
    URL curta
    4101
    Nos siga no

    O governador afastado Wilson Witzel (PSC) pode ter sua carreira política encerrada caso o processo de impeachment que enfrenta seja confirmado, avalia cientista político ouvido pela Sputnik Brasil.

    Nesta semana, a Assembleia Legislativa do Rio de Janeiro (Alerj) autorizou, por 69 votos a zero, que o processo de impeachment prossiga. O caso será, agora, julgado por um tribunal misto formado por cinco deputados estaduais eleitos pela Alerj e cinco desembargadores escolhidos por sorteio. Caso sete membros deste tribunal misto, que tem até 180 dias para ser concluído, decidam que a denúncia contra o governador procede, ele será retirado de maneira definitiva do cargo. 

    Witzel foi afastado, inicialmente, por decisão do Superior Tribunal de Justiça (STJ) e foi denunciado pelo Ministério Público Federal (MPF) por corrupção na área da Saúde. De acordo com o MPF, o escritório da primeira-dama Helena Witzel era usado para receber dinheiro de propina

     O governador do Rio de Janeiro, Wilson Witzel, afastado do cargo.
    © Folhapress / Marcelo Chello/CJPress
    O governador do Rio de Janeiro, Wilson Witzel, afastado do cargo.

    Reportagem do Blog do Berta revelou que o estado do Rio de Janeiro investiu R$ 835 milhões para montar hospitais de campanha contra a COVID-19 sem transparência ou processo seletivo. 

    Para o cientista político e professor da PUC-Rio Ricardo Ismael, a situação de Witzel é "muito delicada" e ele ainda poderá ser inocentado, mas um eventual afastamento pode manchar e "encerrar" sua breve carreira política. Eleito ao adotar bandeiras bolsonaristas na eleição de 2018, Witzel deixou a magistratura para estrear no mundo da política. 

    "No curto prazo, ele provavelmente vai ter esse processo de impeachment deferido pela Assembleia Legislativa estadual e, vamos dizer assim, no médio e longo prazo ele, certamente, vai enfrentar muitas dificuldades em uma tentativa de retorno para o mundo da política", diz Ismael à Sputnik Brasil. 

    O cientista político destaca que o governador afastado cometeu um "erro" ao se anunciar como presidenciável e deveria ser mais "humilde". Para amigos, Witzel nunca negou suas pretensões de ocupar o Palácio do Planalto. O jornal O Globo publicou que Witzel compartilhava no WhatsApp uma montagem sua com a faixa presidencial. 

    "É necessário que o governador procure, vamos dizer assim, ser mais humilde no sentido de que ele ainda estava aprendendo a governar, ele ainda estava tentando ganhar experiência administrativa, portanto ele deveria ter se concentrado nos problemas principais do estado, que são muitos", diz.

    Ismael destaca que, se confirmado, o impeachment após assumir seu primeiro cargo político pode representar um "desfecho melancólico" para Witzel.

    As opiniões expressas nesta matéria podem não necessariamente coincidir com as da redação da Sputnik

    Mais:

    Analista vê nuance do afastamento de Witzel que poderia afastar Bolsonaro sem impeachment
    Alvo de novas denúncias, afastamento de Witzel gera debate sobre ativismo judicial
    Relatório pelo prosseguimento do impeachment de Witzel é aprovado na Alerj
    PGR acusa Witzel de montar 'rachadinha da saúde' no Rio
    ALERJ aprova continuidade do impeachment de Witzel por unanimidade
    Tags:
    STF, STJ, impeachment, saúde, corrupção, denúncia, Wilson Witzel
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar