09:25 18 Setembro 2020
Ouvir Rádio
    Análise
    URL curta
    Brasil lutando com COVID-19 no início de setembro (45)
    240
    Nos siga no

    O governo brasileiro confirmou esta semana a sua participação da aliança mundial de vacinas contra a COVID-19 da OMS (Organização Mundial da Saúde). Segundo o diretor do Curso de Relações Internacionais da Universidade do Estado do Rio de Janeiro (UERJ), isso poderia significar um "recuo bem-vindo" na política externa do país.

    Brasil se comprometeu a fazer parte do consórcio internacional da OMS, solicitando vacinas para imunizar 20% da população do país, ou seja, mais de 40 milhões de pessoas. Para atingir solicitação, o país deverá investir mais de R$ 4 bilhões.

    Por enquanto, o acordo não é vinculante. Se nas próximas semanas não houver um acordo sobre o pagamento e condições, o governo ainda pode desistir do projeto. Além disso, o Brasil manterá flexibilidade para atender com os acordos bilaterais que já celebrou com multinacionais do setor farmacêutico.

    Para o diretor do Curso de Relações Internacionais UERJ, Paulo Velasco, é positivo ver o Brasil "voltando a fazer parte do esforço da comunidade das nações na área de saúde".

    "O Brasil estava seguindo uma lógica norte-americana, que não é interessante para os interesses da população brasileira, nem para a própria tradição do Brasil em termos de política externa", disse Paulo Velasco à Sputnik Brasil.

    O professor lembrou que a política externa brasileira tradicionalmente sempre defendeu o multilateralismo e participa de várias organizações internacionais.

    "O Brasil sempre teve um vínculo muito forte nos temas relacionados à saúde, sobretudo na diplomacia da saúde, na cooperação internacional, oferecendo nossa expertise, inclusive, em outros temas como, por exemplo, o aleitamento materno, ou implantando uma fábrica da Fiocruz em Moçambique, na África", destacou o entrevistado.

    Para o especialista, "não faria nenhum sentido o Brasil ficar a margem de um esforço multilateral coordenado pela OMS no contexto global e pandêmico". Ele acrescentou que uma certa "volta atrás" do governo já era esperada, "fazendo jus à tradição diplomática".

    "É um momento de recuo, mas é um recuo bem-vindo. É o Brasil se distanciando um pouco das posturas mais ideológicas e mais radicais do nosso chanceler, que tem um discurso muito antiglobalista e costuma apontar organizações internacionais como, de certa maneira, inimigas dos interesses do Brasil. O que naturalmente não é verdade e acaba sendo uma postura ideológica não muito producente e não muito positiva para os interesses do país", disse Paulo Velasco.

    Novos ares

    O diretor do Curso de Relações Internacionais UERJ manifestou a esperança de que a postura do governo na OMS seja um indicador de "novos ares". Para ele, o Brasil "comprou brigas desnecessárias" com a ONU em temas diversos, como direitos humanos, saúde e meio ambiente.

    "O Brasil, ao longo dos últimos 20 meses, em vários cenários, atuou muitas vezes na contramão da nossa tradição diplomática e das melhores práticas diplomáticas. Justamente no sentido de tentar copiar posturas norte-americanas, sendo que o Brasil evidentemente não tem o poder e a influência dos Estados Unidos. Brasil depende muito mais da sua legitimidade internacional, do que os Estados Unidos. E claro, vamos torcer para que o Brasil volte às boas práticas em várias esferas", disse o professor.

    Paulo Velasco lembrou que o Brasil tem defendido posições muito controversas na ONU, inclusive muito mais próximas aos países árabes, em questões de gênero e de orientação sexual.

    "Que esse diálogo que o Brasil buscou restabelecer com a OMS na questão da vacina signifique uma postura mais pragmática e menos ideológica na condução de temas da política internacional do Brasil. O Brasil tem que fazer parte do conjunto de nações que combinam o esforço em favor da busca por uma vacina. Até porque o Brasil quer estar bem posicionado na hora de ter a sua vacina eventualmente registrada para poder imunizar o quanto antes a sua população. Não adiantaria uma postura mais isolacionista", concluiu o Velasco.

    As opiniões expressas nesta matéria podem não necessariamente coincidir com as da redação da Sputnik

    Tema:
    Brasil lutando com COVID-19 no início de setembro (45)

    Mais:

    OMS alerta para abertura, mas diz que é preciso 'dar os créditos' para o sistema de saúde do Brasil
    Chefe da OMS alerta sobre COVID-19 no Brasil: 'Hidroxicloroquina não é uma bala de prata'
    EUA e Brasil são os maiores responsáveis ​​pela contagem de casos de coronavírus, diz OMS
    Tags:
    diplomacia, relações internacionais, relações exteriores, COVID-19, vacina, análise, UERJ, Paulo Velasco
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar