03:02 01 Outubro 2020
Ouvir Rádio
    Análise
    URL curta
    357
    Nos siga no

    As eleições municipais se aproximam e Jair Bolsonaro segue sem partido. A Sputnik Brasil ouviu um cientista político para discutir as opções do presidente durante o pleito.

    No dia 15 de novembro, os brasileiros escolherão seus prefeitos e vereadores. Caso necessário, um segundo turno será realizado em 29 de novembro.

    Sem partido desde que deixou o PSL — e afirmou que o presidente da agremiação, Luciano Bivar, estava "queimado", Bolsonaro apostou as fichas na criação do Aliança Pelo Brasil. O partido, contudo, não foi registrado oficialmente junto às autoridades e sua oficialização ainda está na fase de coleta de assinaturas. Ou seja, a Aliança está de fora das eleições municipais.

    Na família presidencial, o deputado federal Eduardo Bolsonaro optou por seguir no PSL, enquanto o senador Flávio Bolsonaro e o vereador carioca Carlos Bolsonaro escolheram entrar para o Republicanos, partido do prefeito do Rio de Janeiro, Marcelo Crivella. 

    Com uma bancada expressiva na Câmara dos Deputados, o PSL terá direito a cerca de R$ 199 milhões do fundo partidário durante as eleições, informa o Tribunal Superior Eleitoral (TSE). 

    O presidente Jair Bolsonaro acompanhado do senador Flávio Bolsonaro (PSL-RJ) e do fundador da Havan, Luciano Hang, durante 1ª Convenção Nacional do partido Aliança pelo Brasil, realizada no Royal Tulip, em Brasília
    © Folhapress / Pedro Ladeira
    O presidente Jair Bolsonaro acompanhado do senador Flávio Bolsonaro (PSL-RJ) e do fundador da Havan, Luciano Hang, durante 1ª Convenção Nacional do partido Aliança pelo Brasil, realizada no Royal Tulip, em Brasília

    Bolsonaro investe em conversas com três legendas para escolher um novo partido, embora não descarte entrar na Aliança, quando a situação for regularizada. A filiação, contudo, deve ficar para 2021, diz o presidente.

    "A estratégia de Bolsonaro, de se aproximar dos partidos fisiológicos, do centrão, do MDB, do DEM, essa estratégia fez com que Bolsonaro se acautelasse nas eleições municipais, porque muitos desses partidos disputam as eleições nos municípios, são adversários locais", afirma o cientista político e professor da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ) Paulo Baía. "Ele não vai acirrar conflitos em seu campo de apoio no Congresso Nacional."

    O analista avalia que Bolsonaro não deve se pronunciar durante o primeiro turno e pode entrar nas disputas de segundo turno em cidades de grande porte e expressão nacional para fazer peso contra nomes "claramente de oposição".

    "Dentro da lógica de Jair Bolsonaro, de seu governo, é fundamental não rachar essa base ampla e muito diferenciada que tem como objetivo fundamental dar sustentação ao mandato do presidente nas suas querelas com o Supremo Tribunal Federal e, enfim, não falo nem no desdobramento de políticas públicas, mas sobretudo nessa questão de colocar um abafa, colocar um ponto final na campanha Fora Bolsonaro", diz o professor da UFRJ.

    Ainda de acordo com Baía, a oposição deve apostar na tentativa de nacionalizar as eleições municipais, principalmente o PT. Todavia, o cientista político acredita que a discussão sobre temas regionais deve dominar a pauta. "A eleição municipal no Brasil não é uma eleição plebiscitária. Ela carrega muito dos aspectos locais, das demandas de cada cidade e nós temos uma diversidade enorme de municípios", afirma.

    Deputada Federal Carla Zambelli durante encontro com parlamentares e apoiadores do Aliança pelo Brasil em Brasília
    © Folhapress / Wallace Martins
    Deputada Federal Carla Zambelli durante encontro com parlamentares e apoiadores do Aliança pelo Brasil em Brasília

    As opiniões expressas nesta matéria podem não necessariamente coincidir com as da redação da Sputnik

    Mais:

    'Minha Casa, Minha Vida' de Bolsonaro tem foco em 2022, diz cientista político
    Hackers divulgam supostos dados de Michelle Bolsonaro nas redes
    'Bancada do açúcar' no Congresso pressiona Bolsonaro a manter tarifas sobre etanol dos EUA
    'Se Bolsonaro queria o Rio, agora tem', diz cientista político sobre afastamento de Witzel
    Bolsonaro promete auxílio emergencial até final do ano entre R$ 200 e R$ 600
    Tags:
    oposição, municipal, 2020, pleito, eleições, Jair Bolsonaro
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar