04:38 31 Outubro 2020
Ouvir Rádio
    Análise
    URL curta
    COVID-19 no Brasil no final de agosto (50)
    4162
    Nos siga no

    Após a discussão sobre a gravidade da pandemia da COVID-19, que chegou a ser classificada como "gripezinha" pelo presidente Jair Bolsonaro, o Brasil pode enfrentar um novo obstáculo para o combate ao novo coronavírus mesmo com a chegada da vacina.

    Nos últimos dois meses, a onda de fake news sobre a vacina cresceu 383%, segundo monitoramento da União Pró-Vacina. O Brasil já vinha enfrentando na pandemia resistência à vacinação, o que gerou o ressurgimento do sarampo no país.

    A médica e fundadora do Instituto Saúde e Sustentabilidade, Evangelina Vormittag, em entrevista à Sputnik Brasil, afirmou que a difusão de notícias falsas é um desserviço ao controle e vigilância da pandemia no país.

    "Uma vez que a pessoa é vacinada, ela cria anticorpos e aí vão ocorrer dois benefícios consequentemente: primeiro é a pessoa não se infectar, não ter doença pelo vírus, não correr o risco de ter uma doença grave, e mesmo a morte. Então é um benefício próprio. E o segundo é o benefício coletivo, que uma vez que ela tiver anticorpos ela não disseminará o vírus, então com isso não haverá contagiosidade, a transmissão vai diminuir", disse.

    De acordo com ela, a diminuição da transmissibilidade para um índice menor do que 1 representa uma epidemia controlada da doença, podendo levar à própria erradicação da doença.

    A especialista expressou preocupação com a possibilidade das fake news influenciarem no processo de vacinação do país.

    "Como já mostrou uma pesquisa, que 9% não pretende se vacinar contra o coronavírus. O que acontece se ela não se vacina? Primeiro, ela pode adquirir o vírus. Se ela adquirir o vírus ela pode ficar doente. Mas independente do que acontece com a pessoa que opta por não tomar a vacina, além do prejuízo próprio que ela pode ter, ela também prejudicará a coletividade", observou.

    Segundo a médica, a população precisa "confiar em informações idôneas e confiáveis, principalmente com profissionais de saúde, e com organizações e entidades de saúde, como, por exemplo, o Ministério da Saúde, as secretarias da Saúde, a Organização Mundial de Saúde".

    Ao comentar o papel do Ministério da Saúde neste processo, Evangelina Vormittag disse que a pasta deve "preparar a população para a vacinação contra a COVID-19 com muita informação, informação clara e acessível à população através de campanha, boletins informativos".

    "Eu acho que é muito importante o empenho do Ministério da Saúde para esclarecer à população sobre a vacinação, a orientação de como adquiri-la, e também no combate às fake news", completou.

    As opiniões expressas nesta matéria podem não necessariamente coincidir com as da redação da Sputnik

    Tema:
    COVID-19 no Brasil no final de agosto (50)

    Mais:

    Brasil registra 984 mortes pela COVID-19 e óbitos ultrapassam 118 mil
    Fiocruz: Brasil mantém média de mil vítimas de COVID-19 por dia
    EXÉRCITO 2020: Brasil apresenta à Rússia soluções em biossegurança para combater COVID-19
    Tags:
    novo coronavírus, vacina, fake news, Brasil, COVID-19
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar