01:34 27 Outubro 2020
Ouvir Rádio
    Análise
    URL curta
    Brasil na pandemia de coronavírus no início de agosto (49)
    250
    Nos siga no

    Uma eventual vacinação em massa contra a COVID-19 no Brasil pode enfrentar um problema de escassez de seringas. Sobre esse assunto, a Sputnik Brasil conversou com um representante de fabricantes de equipamentos hospitalares, que alerta para a necessidade de um planejamento detalhista para o esforço da vacinação.

    No domingo (9), a jornalista Mônica Bergamo publicou no jornal Folha de São Paulo que fabricantes de vacinas estão alertando o governo para a possível escassez de seringas no país para a aplicação da vacina contra a COVID-19 em massa, caso esta seja aprovada por cientistas e pelas autoridades sanitárias.

    Para o engenheiro Paulo Henrique Fraccaro, superintendente da Associação Brasileira da Indústria de Artigos e Equipamentos Médicos, Odontológicos, Hospitalares e de Laboratórios (ABIMO), a possibilidade é real e o país precisa criar um planejamento capaz de impedir a escassez de seringas.

    "Se nós não tivermos um planejamento factível, nós poderemos correr o risco de termos as vacinas na mão e nas prateleiras e não termos como aplicar nos pacientes. Essa carência não existe, o problema é que o governo vai precisar de uma demanda muito grande de seringas em um espaço muito pequeno para as aplicações", aponta o engenheiro em entrevista à Sputnik Brasil.

    Fraccaro recorda que a experiência recente com a pandemia pode servir de exemplo para mostrar a necessidade de um planejamento com antecedência para evitar a falta de equipamentos básicos.

    "Não há empresa no mundo capaz de fornecer toda a quantidade que o governo precisa com um pedido para entrega em um mês. Nós aprendemos com os ventiladores, aprendemos com os equipamentos de proteção individual, que quando o governo demandou uma quantidade enorme – aliás, o mundo todo demandou ao mesmo tempo – teve falta, preços exorbitantes e ficamos muitas vezes na fila", alerta.
    Governador João Doria Jr. anuncia novas medidas para intensificar o combate ao novo coronavírus, com a chegada de uma vacina, vinda da China, que será administrada pelo Instituto Butantã em São Paulo, 20 de julho de 2020
    © Folhapress / Paulo Guereta/Photo Premium
    Governador João Doria Jr. anuncia novas medidas para intensificar o combate ao novo coronavírus, com a chegada de uma vacina, vinda da China, que será administrada pelo Instituto Butantã em São Paulo, 20 de julho de 2020

    A dimensão de uma eventual campanha de vacinação demanda um planejamento em detalhes, conforme explica Fraccaro. 

    "Como o Brasil deve se preparar para essa hiper-campanha? Planejando nos mínimos detalhes! Não é só a vacina, que é o elemento mais importante, mas eu vou precisar de seringas, eu vou precisar de álcool-gel, eu vou precisar de protetores para as mãos, luvas, vou precisar, provavelmente, de uma atenção muito grande na distribuição desses produtos, embora o governo brasileiro tenha uma experiência em campanhas de vacinação", avalia.

    O engenheiro alerta ainda que o país tem até o final do mês de setembro para definir o tamanho da demanda de equipamentos como seringas e assim garantir que haja tempo hábil para a produção.

    "Tudo é uma questão de planejamento, mas o certo é que até o final de setembro as empresas vencedoras para o fornecimento das seringas a partir do ano que vem já deverão ser conhecidas para que elas possam se preparar para o atendimento desse pedido", conclui.

    As opiniões expressas nesta matéria podem não necessariamente coincidir com as da redação da Sputnik

    Tema:
    Brasil na pandemia de coronavírus no início de agosto (49)

    Mais:

    COVID-19: médico rechaça Brasil com 15 milhões de vacinados até dezembro: 'previsão atabalhoada'
    Primeira vacina do mundo contra COVID-19 será registrada na Rússia na próxima semana
    COVID-19: Fundo Russo de Investimentos Diretos está pronto para testes de vacina nas Filipinas
    Tags:
    COVID-19, Brasil
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar