19:44 31 Outubro 2020
Ouvir Rádio
    Análise
    URL curta
    Brasil na luta contra COVID-19 no final de julho (61)
    4133
    Nos siga no

    Um estudo divulgado nesta quinta-feira (30) mostrou que o Brasil é um dos países com o maior número de doses da vacina contra COVID-19 reservadas.

    Embora nenhuma ainda tenha sido aprovada, o levantamento publicado pelo site Quartz mostrou que o Brasil já possui 220 milhões de doses ao todo, sendo 120 milhões da empresa chinesa Sinovac, desenvolvida em parceria com o Instituto Butantan, e 100 milhões de doses da possível vacina que está sendo testada pela Universidade de Oxford em parceria com a empresa AstraZeneca.

    Em entrevista à Sputnik Brasil, Gonzalo Vecina Neto, médico sanitarista, professor da Faculdade de Saúde Pública da Universidade de São Paulo (USP), explicou, no entanto, que as vacinas que estão sendo testadas preveem que, para ficar imunizado, o indivíduo deverá receber duas doses.

    "Temos que lembrar é que para esse caso, até o momento, as duas vacinas precisam de duas doses para permitir a imunização. Então 220 milhões de unidades serão 110 milhões de pessoas vacinadas, mas a perspectiva é, além dessa compra, de logo em seguida iniciar a produção interna no Brasil", disse.

    O médico sanitarista defende que, assim que as vacinas estiverem devidamente autorizadas, o Brasil deveria iniciar a sua cobertura de modo "estratificado".

    "O governo precisará fazer uma estratificação, o primeiro estrato a ser atendido deverá ser o dos trabalhadores de saúde para evitar que eles se infectem e venham a ter a doença. Após os trabalhadores de saúde, tem que vir os grupos de risco, portadores de comorbidades, os idosos", disse.

    Após os grupos prioritários, Vecina Neto defende que o Brasil priorize a população de baixa renda.

    "Eventualmente se pode pensar também nos estratos sociais menos favorecidos, que são aqueles que estão sendo mais atingidos pela pandemia pela sua necessidade de contínua movimentação para obter alimentos. Poderia também se pensar em vacinar previamente os mais pobres e não os mais ricos", defendeu.

    Vecina Neto diz que as projeções mais otimistas apontam que a vacina contra o novo coronavírus pode sair já em janeiro.

    "A previsão de início é otimisticamente em janeiro. Pode acontecer de ser antes de janeiro? Acho muito difícil, embora essas vacinas já estejam em produção. Tanto a chinesa quanto a britânica já têm plantas prontas para produção e já devem iniciar a produção. A produção de um lote de vacina demora de três a quatro meses. Então é importante que você queime etapas para diminuir o número de mortes", explicou.

    A contabilização do Quartz leva em consideração tanto as candidatas à vacina licenciadas para produção local quanto as fechadas em acordo para compra direta.

    Segundo o balanço divulgado nesta sexta-feira (31) pelo Ministério da Saúde, o Brasil registrou 92.475 mortes causadas pela COVID-19 e 2.662.485 casos confirmados da doença.

    As opiniões expressas nesta matéria podem não necessariamente coincidir com as da redação da Sputnik

    Tema:
    Brasil na luta contra COVID-19 no final de julho (61)

    Mais:

    Testes de vacina contra COVID-19 desenvolvida em Oxford começam em São Paulo
    Vacina chinesa contra COVID-19 chega ao Brasil e testes começam nesta segunda
    Primeiras doses de vacina contra COVID-19 só virão no início de 2021, diz OMS
    China financiará acesso da América Latina à sua vacina contra COVID-19
    Fome e vacina podem gerar nova onda de migração no mundo pós-COVID, alerta chefe da Cruz Vermelha
    Com vacina, COVID-19 corre risco de ser 'doença dos pobres', diz representante da Cruz Vermelha
    Rússia poderá receber permissão de uso da vacina contra COVID-19 em meados de agosto
    'Não é daquele outro país': Bolsonaro alfineta China ao exaltar vacina de Oxford contra COVID-19
    Tags:
    imunização, imunidade, classes sociais, exclusão social, inclusão social, vacina, Brasil, COVID-19
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar