23:12 11 Agosto 2020
Ouvir Rádio
    Análise
    URL curta
    1191
    Nos siga no

    O bloco sul-americano demonstra tendências de que suas preferências comerciais se voltam para a Ásia.

    Lodo após receber a presidência temporária do Mercosul, o presidente do Uruguai defendeu a necessidade de acelerar a agenda comercial externa do bloco, tanto em direção ao Atlântico como ao Pacífico, independentemente das tensões entre EUA e China.

    Analisando a questão, em entrevista à Sputnik Mundo, o economista Óscar Fernández-Guillén comentou:

    "A afirmação tem sido inteligente dado que o papel da China, tanto na agenda externa do Mercosul como no comércio internacional em geral, é absolutamente indiscutível."

    Nesse sentido, o gigante asiático é hoje o primeiro sócio comercial do Mercosul, seguido pelos EUA, "motivo pelo qual não há motivo para tomar partido e escolher um dos lados", disse o analista em comércio internacional.

    Por sua parte, apesar da conjuntura adversa da pandemia, "foi muito interessante o que fez o Mercosul com a região da Ásia-Pacífico, já que é a única que representou uma tendência de alta do ponto de vista comercial", agregou.

    Ásia representa muitas oportunidades para América do Sul

    Desde o ponto de vista das relações econômicas, a Ásia representa importantes oportunidades. Assim, é importante manter o diálogo com a China, apesar da disputa comercial com os EUA.

    Bandeiras da China e do Brasil
    © AP Photo / Andy Wong
    Bandeiras da China e do Brasil

    Em relação ao Cone Sul, "a estrutura comercial indica que o futuro do comércio e a reativação econômica vão depender das transações com a Ásia-Pacífico em geral e com a China em particular", concluiu Fernández-Guillén.

    As opiniões expressas nesta matéria podem não necessariamente coincidir com as da redação da Sputnik

    Mais:

    Economia brasileira sofre impacto negativo de não diversificar exportação, diz economista
    Acordo Mercosul-UE enfrenta resistência externa e dúvidas entre Brasil e Argentina, diz professora
    Se Brasil deixar, China ocupará mais espaços na América do Sul, diz especialista
    Tags:
    economia, Ásia-Pacífico, China, comércio, análise, Cone Sul, Mercosul
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar