16:24 01 Dezembro 2020
Ouvir Rádio
    Análise
    URL curta
    2152
    Nos siga no

    Segundo entomóloga e engenheira agrônoma Adriana Labinas, uma eventual frente fria, com chuvas e ventos fortes, poderia evitar o deslocamento da nuvem de gafanhotos para o país.

    As autoridades brasileiras soaram alerta em função de uma nova nuvem de gafanhotos, agora no Paraguai, com potencial destrutivo para as plantações. Os insetos estavam nesta sexta-feira (17) no Parque Nacional Defensores del Chaco, a cerca de 300 quilômetros da fronteira do Brasil.

    O Serviço Nacional de Qualidade e Sanidade Vegetal e de Sementes do Paraguai (Senave), alertou que os gafanhotos podem se movimentar para as regiões na fronteira com Bolívia e Argentina, ou para a fronteira entre Brasil e Bolívia com o Paraguai.

    A entomóloga e engenheira agrônoma Adriana Labinas, professora-coordenadora do Laboratório de Entomologia Agrícola do Departamento de Ciências Agrárias da Universidade de Taubaté (Unitau), explicou para Sputnik Brasil que nuvens de gafanhotos preferem temperaturas mais elevadas, que propiciam o desenvolvimento do inseto. Além disso, ausência de chuvas e de ventos facilita muito o deslocamento das nuvens.

    Quando, no entanto, as condições se invertem, com frio, chuvas e ventos fortes, ocorre "um desfavorecimento da biologia e uma alteração do comportamento dos insetos".

    "Da última vez, quando tivemos notícias da formação de nuvens de gafanhotos vindo do Uruguai eram justamente essas as expectativas de mudança climática, com chuva, frio e o vento que nós gostaríamos que se instalassem para conter o deslocamento da nuvem", disse Adriana Labinas.

    Segundo a engenheira agrônoma, os gafanhotos competem com o homem pelo mesmo produto, pois são insetos fitófagos e têm o hábito de se alimentar de plantas. Portanto, o risco das nuvens de gafanhotos no Brasil está associado ao prejuízo para os agricultores e pecuaristas.

    "Nesse momento, esses insetos passam então a assumir o status de praga agrícola, e por isso devem ser combatidos e controlados adequadamente. Neste momento acho que a melhor medida de controle que nós poderíamos ter inicialmente é uma medida do governo. O Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento, no dia 24 de junho, emitiu uma portaria declarando estado de emergência fitossanitária em função do risco do surto desta praga de Schistocerca cancellata, o gafanhoto, na região dos estados do Rio Grande do Sul e Santa Catarina", destacou a interlocutora da Sputnik Brasil.

    Para Adriana Labinas, se as medidas de controle seguirem a portaria expedida pelo ministério, "as chances de sucesso do controle aumentam muito", em função de um esforço organizado pelo governo federal.

    A agrônoma também garantiu que os insetos não representam risco direto para o ser humano ou para os animais, mas alertou para uma possível diminuição da oferta de alimento, ou da condição econômica de uma população.

    "O risco direto à saúde, tanto do ser humano, quanto dos animais criados, não existe. Existem alguns relatos de desconforto auditivo no momento da chegada da nuvem e também existem relatos de desconforto visual, porque a paisagem fica alterada. Mas o risco que essas nuvens mais representam é para a produção agrícola", concluiu a entrevistada.

    As opiniões expressas nesta matéria podem não necessariamente coincidir com as da redação da Sputnik

    Mais:

    Azar tomando conta de 2020: pior praga de gafanhotos em 27 anos destrói safra na Índia (FOTO, VÍDEO)
    Cientista vê possível ligação entre invasão de gafanhotos e mudanças no clima
    Nuvens de gafanhotos demoram meses para se dispersar naturalmente, diz biólogo
    Tags:
    Brasil, agropecuária, pecuária, agricultura, praga, análise, gafanhoto, nuvem
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar