03:09 05 Dezembro 2020
Ouvir Rádio
    Análise
    URL curta
    Pandemia do coronavírus no Brasil no início de julho (50)
    232
    Nos siga no

    A empresa de informações de crédito Boa Vista divulgou um levantamento que aponta que os pedidos de falência no Brasil aumentaram 28,9% em junho, em comparação com o mesmo índice em maio.

    Na mesma base de comparação, os pedidos de recuperação judicial avançaram 82,2%, enquanto as falências decretadas e recuperações judiciais deferidas subiram 93% e 103,3%, respectivamente.

    O economista da empresa de informações de crédito Boa Vista, Flávio Calife, em entrevista à Sputnik Brasil explicou que o indicador de falências e de recuperações é construído com base nos dados mensais registrados no banco de dados da Boa Vista, de fóruns, varas de falências, diários oficiais e da justiça de todos os estados, sendo um dado nacional calculado mensalmente.

    "O que a gente viu neste último mês de junho é que houve uma elevação de mais de 28% no número de falências na comparação com o mês de maio. No mês de maio também teve uma elevação acima de 20%. Então a gente tem mostrado que nos últimos meses o número de falências vem aumentando mais fortemente", afirmou.

    De acordo com ele, essa elevação no número de falências hoje "já reflete, sem dúvida, boa parte das restrições que foram impostas à economia por conta da COVID-19". O especialista observou que as restrições levaram as empresas a reduzir muito suas receitas, "mantendo o aumento de custos e com uma dificuldade de acesso a crédito, que levou elas a uma certa insolvência".

    Já o economista e professor da Universidade Presbiteriana Mackenzie, Milton Pignatari, em entrevista à Sputnik Brasil, analisou o cenário econômico pós-pandemia, observando que este período ainda é uma incógnita, porque "as projeções do mercado, as projeções internacionais, elas não estão absolutamente pessimistas, mas elas estão apontando para uma recessão, apontando para problemas econômicos em geral, não só no Brasil, mas no mundo inteiro".

    "Eu diria que essa previsão para o período pós-pandemia é uma previsão de uma restrição bastante grande de crédito, de consumo, e as empresas vão ter que se adaptar, elas já estão se adaptando, tentando sobreviver", argumentou o economista.

    Ao comentar os mecanismo do governo para contornar a crise, o economista disse que "as regras que foram criadas de certa forma tentaram favorecer as empresas, mas o mais importante que a gente vê é que as empresas estão procurando soluções alternativas".

    "A gente não está tendo aquele desânimo total. Isso eu percebo conversando com algumas pessoas do segmento empresarial, do segmento comercial, as pessoas não estão entregando os pontos", observou. 

    "Eu acho que as empresas vão sobreviver, em vários segmentos, eu acho que em todos os segmentos vão ter empresas sobrevivendo, em todas as áreas. A gente não tem uma área específica que é mais forte, tirando o agronegócio [...] Mas eu acho que todos os setores de certa forma vão sofrer nessa pós-pandemia, eu diria que pelo menos uns seis meses a gente vai ter um problema muito sério, e a partir daí a gente começa ter uma recuperação", completou. 

    As opiniões expressas nesta matéria podem não necessariamente coincidir com as da redação da Sputnik

    Tema:
    Pandemia do coronavírus no Brasil no início de julho (50)

    Mais:

    Aumento do desmatamento pode gerar bloqueios de investimentos no Brasil, diz economista
    Brasil vive 'volatilidade institucional' que prejudica a economia, diz analista
    Brasil precisa resolver problemas internos para superar recessão, diz economista da FGV
    Tags:
    falência, COVID-19, pandemia, economia
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar