00:01 04 Agosto 2020
Ouvir Rádio
    Análise
    URL curta
    7173
    Nos siga no

    Para psicólogo Luiz Ainbinder, a posição do Brasil na ONU está sendo ditada pela postura pessoal do presidente Jair Bolsonaro.

    Relatos do jornalista Jamil Chade, colunista do site UOL, revelam que o Brasil e cinco países islâmicos como Arábia Saudita, Qatar, Bahrein, Paquistão e Iraque pediram a retirada de um projeto de resolução da ONU contra discriminação de mulheres um parágrafo que contempla, entre outros itens, direito à educação sexual universal e uma gama completa de informações e serviços de saúde sexual e reprodutiva, incluindo orientações sobre aborto, e de que legislações nacionais não coíbam essa prática.

    O psicólogo e radialista Luiz Ainbinder considera não haver razão científica para o veto e que a posição do Brasil reflete a postura pessoal do presidente Jair Bolsonaro.

    "Embora o país seja laico, o presidente não é, nem é obrigado a ser laico. Pode ter sua própria religião. Baseado nela, ele assume uma postura que influencia suas decisões. Não há razão científica para esse veto, mas há uma razão política e religiosa envolvida", disse Luiz Ainbinder à Sputnik Brasil.

    Segundo o psicólogo, a ONU é um órgão político com diversas forças influenciando suas decisões e o Itamaraty participa desse cenário sempre seguindo as diretrizes do governo.

    "As diretrizes do Itamaraty são dadas pelo governo. No atual governo a mentalidade é essa", acrescentou o psicólogo. Ainbinder destacou que, se o governo fosse outro, "a posição do país seria diferente".

    Para o radialista, as mudanças de cultura e mentalidade são lentas, o que explicaria a posição sobre o tema dos países islâmicos contrários aos temas apresentados pela resolução.

    "As mudanças de cultura não ocorrem simultaneamente no mundo todo. Por exemplo, o primeiro país a banir a escravidão foi Portugal, em 1761, embora esse banimento fosse restrito às fronteiras do país. O último país a abolir a escravidão foi a Mauritânia, em 1981, isto é 220 depois. Ou seja, as mudanças não acontecem simultaneamente, mas lentamente", destacou o interlocutor da Sputnik Brasil.

    Segundo Chade, no entanto, a pressão dos governos islâmicos e do Brasil não convenceu os autores do projeto. O governo do México já declarou que será "difícil" excluir o parágrafo e pois a medida minaria o centro da resolução, que é o combate contra a discriminação sofrida por mulheres e meninas.

    A aproximação do Brasil de governos mais conservadores tem sido motivo de polêmicas na ONU, que considerava o Brasil como um dos aliados tradicionais no avanço dos direitos das mulheres.

    As opiniões expressas nesta matéria podem não necessariamente coincidir com as da redação da Sputnik

    Mais:

    'Calote' milionário pode fazer Brasil perder direito a votar na Assembleia Geral da ONU
    Sem apoio de Brasil e EUA, ONU aprova esforço global para combater a COVID-19
    Deputado diz que denunciará à ONU exclusão de violência policial no Brasil de relatório do governo
    Tags:
    Itamaraty, Jair Bolsonaro, direitos civis, educação, Brasil, análise
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar