19:30 06 Agosto 2020
Ouvir Rádio
    Análise
    URL curta
    0 90
    Nos siga no

    Especialista opina que ouro se manteve forte e estável durante surto do novo coronavírus ao contrário das criptomoedas e ações, e defende que, no momento, a prata é também ativo interessante de refúgio.

    O especialista em mercados de metais preciosos Dimitri Speck avaliou para a Sputnik Alemanha a situação atual com o metal amarelo.

    "O preço do ouro tem crescido muito bem desde o início do ano e passou pelo pico do coronavírus sem problemas, enquanto o valor do bitcoin caiu pela metade e os preços das ações também diminuíram seriamente", afirmou.

    "Julho será um bom mês para o ouro", previu o especialista em metais preciosos por haver uma aumento sazonal na demanda, graças a casamentos e férias.

    "Estes são fatores que também têm um efeito positivo sobre os preços do ouro", explicou, acrescentando que os preços variam durante a semana e que por norma atingem o auge às sextas-feiras.

    "Portanto, faz sentido comprar [só] até quinta-feira," indicou.

    Metal amarelo continua na liderança

    "Em minha opinião, o preço do ouro, apesar das manipulações [e do choque econômico causado pela pandemia], caiu muito pouco recentemente", acredita o especialista, mantendo sua posição de líder entre todas as principais classes de investimento.

    Segundo o especialista, a situação de superendividamento que asfixia a economia mundial e as medidas de resgate tomadas pelos bancos centrais de diferentes países com o consequente excesso de liquidez podem provocar "uma verdadeira catástrofe do sistema financeiro", incluindo uma inflação galopante.

    O especialista não tem dúvidas: "Governos e bancos centrais inundarão os mercados com dinheiro barato a curto e médio prazo, portanto, as dívidas ficarão fora de controle e continuarão crescendo até que ocorra um grande colapso."

    Em momentos de crise, o ouro desempenha sempre um papel de ativo de refúgio, já se observando um "rali" nos mercados de ouro e de outros metais preciosos.

    Com a pandemia, as minas de ouro pararam de operar em todo o mundo, da África do Sul ao Peru até a Rússia, sem contar na interrupção nas refinarias do mineral.

    Com a abertura gradual das economias, as minas de ouro e as fábricas de processamento do metal amarelo vão retomando suas operações um pouco por todo o mundo, com exceção de alguns países em desenvolvimento. Tal fato reduz a oferta, contribuindo igualmente para o aumento do preço.

    A demanda por ouro físico, especialmente moedas e barras, tem aumentado, pois "muitos investidores entendem que o sistema financeiro está em perigo de turbulência, por isso optam pelo seguro, comprando ouro", prosseguiu Speck.

    Perspectivas para a prata

    "A prata durante o pico do coronavírus mostrou-se muito mais volátil que o ouro, inclusive por se tratar de um metal industrial", diz Speck.

    No entanto, a longo prazo, a prata talvez possa ser "uma alternativa de investimento ainda mais atraente do que o ouro", sobretudo se os preços do ouro subirem patamares muito altos, como aconteceu no final dos anos 70 e 80, ou como foi o caso em 2011.

    Então, segundo o especialista, o preço da prata começa a subir, levando muitos investidores a tomar o rumo da prata.

    Tendo em conta que as reservas de filões de prata são menores que as de ouro, "para aqueles que querem investir em metais preciosos a longo prazo, na minha opinião, a prata em vez do ouro seria mais atraente", concluiu o especialista.

    As opiniões expressas nesta matéria podem não necessariamente coincidir com as da redação da Sputnik

    Mais:

    Por que grandes bancos dos EUA estimulam troca de dólares por ouro?
    Rússia está interessada em adquirir ouro na América Latina
    Ouro 'invade' EUA e provoca uma das maiores transferências físicas da história
    Tags:
    economia, crise, ouro
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar