20:20 25 Outubro 2020
Ouvir Rádio
    Análise
    URL curta
    4514
    Nos siga no

    Pequim continua construindo seu futuro poderio militar, com modificações dos caças existentes, construção de aviões de combate de sexta geração e também de porta-aviões.

    Segundo informou há dias a mídia chinesa, em 2021 haverá testes de voo de um novo tipo de aeronave de combate chinesa de baixa visibilidade, que é descrita como "um caça de nova geração". Os detalhes do novo desenvolvimento ainda não foram divulgados.

    As últimas informações sobre testes da nova aeronave sugerem que a China está trabalhando ativamente para aumentar seu potencial em aviação de combate, segundo disse à Sputnik China o especialista militar russo Vasily Kashin.

    "Antes de tudo, se trata de novas modificações das famosas plataformas J-20 e FC-31 [também conhecida como J-31 ou J-35], bem como de veículos não tripulados de vários tipos. A China também tem trabalhado nos últimos anos em uma nova geração de aeronaves de combate, a quinta, segundo a classificação chinesa, ou sexta, pela classificação internacional."

    Estão sendo feitos trabalhos para tentar melhorar os aviões J-31, que têm sido testados há muitos anos, e também no J-20, onde é possível que haja novos motores e aviônicos melhorados.

    A China também vem trabalhando em um promissor caça de decolagem e pouso vertical há vários anos, provavelmente com base na plataforma do FC-31.

    Além disso, já foram lançados à água e estão sendo concluídos dois grandes navios universais de desembarque chineses do Type 075, com 40 mil toneladas de deslocamento, que devem se tornar parte da Marinha chinesa até 2023-2024 depois de se concluírem os testes.

    Assim, a China teria três porta-aviões leves adicionais, com mais capacidade de aeronaves que os porta-aviões ligeiros japoneses da classe Izumo, antigos destróieres porta-helicópteros.

    "Dado o possível início dos testes de voo do avião de decolagem vertical em 2021 e a necessidade de quatro a cinco anos para estes testes, a aeronave poderia estar pronta para produção logo após os três navios do Type 075, que estão em diferentes estágios de construção (incluindo os dois já lançados à água), estarem prontos para uso", comenta Kashin.

    Exportação militar

    O novo tipo de aeronave também poderá impulsionar a China a enviar de tropas ao exterior, devido às más relações com Washington.

    "Por exemplo, a base chinesa em Djibuti não tem sua própria pista de decolagem completa", refere o especialista. "No entanto, possui uma plataforma bastante espaçosa para helicópteros, que será capaz de acomodar, se necessário, possíveis caças de decolagem vertical."

    Por fim, o novo avião chinês tem um potencial de exportação significativo, particularmente entre países de média e grande dimensão, que estão agora prontos para adquirir embarcações universais de desembarque anfíbio, e que em alguns casos poderiam ser usadas como porta-aviões leves.

    Aeronaves de sexta geração estão sendo desenvolvidas em muitos países, mas seus testes de voo ainda estão em um futuro distante.

    As opiniões expressas nesta matéria podem não necessariamente coincidir com as da redação da Sputnik

    Mais:

    China envia caças Su-30 às proximidades de Taiwan em resposta à presença dos EUA
    Taiwan intercepta caça chinês J-10 em sua zona de identificação de defesa aérea
    China aciona caças Su-30 após avião militar dos EUA sobrevoar Taiwan, revela mídia
    Por que a China continua comprando Su-35S da Rússia quando tem seus caças de 5ª geração?
    China confirma produção de caças J-15 com tecnologias de próxima geração, diz mídia
    Tags:
    EUA, Djibuti, FC-31, J-20, Sputnik, Sputnik China, China
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar