13:02 05 Dezembro 2020
Ouvir Rádio
    Análise
    URL curta
    290
    Nos siga no

    Segundo o presidente norte-americano, a administração de Obama foi tão incapaz com Moscou que os levou a querer excluir a Rússia do G8.

    Donald Trump ridicularizou a sugestão do antigo vice-presidente do governo Obama e principal candidato à presidente pelo Partido Democrata, Joe Biden, de não convidar Moscou para a cúpula do G7, após uma publicação do jornal New York Times sobre suposta existência de contatos entre a inteligência russa e o Talibã.

    É engraçado ver o corrupto Joe Biden lendo uma declaração sobre a Rússia, que obviamente foi escrita por seus manipuladores. A Rússia comeu o almoço dele e de Obama durante seu tempo no cargo, tão mal que Obama os queria fora do então G8. Os EUA eram fracos em tudo, mas especialmente [com] a Rússia!

    No final de maio, Trump convidou Rússia, Índia, Austrália e Coreia do Sul para a cúpula do G7 em setembro. Segundo o presidente norte-americano, o bom senso requer a presença da Rússia.

    Dmitry Zhuravlyov, diretor-geral do Instituto de Problemas Regionais, localizado em Moscou, afirmou:

    "Lembre-se de onde tudo começou. Do discurso [em 10 de fevereiro de 2007 do presidente russo Vladimir Putin na Conferência de Segurança em questões de política, que falava sobre a unipolaridade da política mundial moderna] em Munique, Alemanha."

    "Assim que o país começa a dizer que tem seus próprios interesses, ele imediatamente contrasta com o sistema político internacional tradicional com o G8, o G7 à frente. Portanto, o problema não está em nós, mas no próprio sistema em que só se pode concordar com os EUA, ou se não concorda, você será excluído", comenta.

    Na sexta-feira (26), o jornal New York Times afirmou que a inteligência militar russa ofereceu um bônus ao Talibã se atacasse as tropas norte-americanas no Afeganistão, sem apresentar evidências do caso.

    O professor argentino Leandro Morgenfeld acredita que esta nova controvérsia "tem duas dimensões de leitura: uma geopolítica e uma eleitoral".

    A primeira está relacionada à persistência da russofobia em grande parte do sistema de Washington e ao interesse em boicotar qualquer aproximação entre Trump e Putin, observa o especialista argentino.

    "Além disso, esta situação prova que os Estados Unidos estão perdendo posições na Ásia, [e] estão emergindo os BRICS, outras lideranças. Isto implica uma incapacidade dos Estados Unidos de restabelecer o paraíso perdido, o domínio de outrora, algo que ressalta no jogo eleitoral", declarou Morgenfeld.

    As opiniões expressas nesta matéria podem não necessariamente coincidir com as da redação da Sputnik

    Mais:

    Cada vez 'menos vergonha': Kremlin chama de 'mentiras' publicação do NYT sobre conluio com Talibã
    Casa Branca nega que Trump foi informado sobre suposto pedido russo para talibãs atacarem americanos
    EUA criam 'porta secreta' em negociações do START III para poder sair do tratado, diz especialista
    Tags:
    Talibã, G8, G7, The New York Times, Vladimir Putin, Barack Obama, Rússia, EUA, Joe Biden, Donald Trump
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar