05:02 26 Outubro 2020
Ouvir Rádio
    Análise
    URL curta
    5266
    Nos siga no

    As manifestações públicas não serão mais exclusividade dos apoiadores do presidente Jair Bolsonaro (sem partido), avalia cientista político ouvido pela Sputnik Brasil.

    No domingo (31), capitais como São Paulo e Rio de Janeiro tiveram atos com bandeiras contrárias ao presidente da República. Essas manifestações marcam uma inflexão já que nas últimas semanas as ruas foram uma exclusividade de apoiadores de Bolsonaro. O presidente, inclusive, costuma frequentar manifestações de apoio ao seu governo e de ataques a outros poderes, como o Supremo Tribunal Federal (STF). 

    Em São Paulo, houve repressão. A Polícia Militar dispersou o ato contrário ao presidente com bombas de efeito moral. Para o cientista político e professor da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ) Paulo Baía, a PM foi "gentil" com os apoiadores de Bolsonaro e agiu com força desproporcional com os seus críticos. 

    "Eu avalio que vamos ter uma escalada [nos protestos] sim, um aumento do número de manifestações no país. Pois até então só os apoiadores de Bolsonaro estavam se manifestando, agora os manifestantes contra Bolsonaro estão se organizando", diz Baía à Sputnik Brasil. 

    Após o conflito entre PM e manifestantes na Avenida Paulista, o governador de São Paulo, João Doria (PSDB), anunciou que atos a favor e contra Bolsonaro não poderão acontecer no mesmo dia e local. 

    "Tudo que nós não precisamos neste momento é de confronto. O confronto não fortalece a democracia, ao contrário, enfraquece. E justifica, lamentavelmente, o discurso autoritário daqueles que pretendem retomar a ditadura no Brasil e desejariam justificar por confrontos públicos em ruas, praças e avenidas a necessidade de intervenção militar", afirmou Doria.

    Bolsonaro, por sua vez, pediu aos seus apoiadores que evitem manifestações no próximo domingo (7). 

    Baía acredita que é importante evitar um "acirramento dos ânimos" que pode levar a um cenário de "violência generalizada", mas ressalta que é legítimo o aumento das manifestações

    "A escalada das manifestações não preocupa porque se as manifestações tiverem, mesmo que tensas, um nível de violência baixo, elas são importantes pela defesa das posições que estão sendo disputadas hoje", diz o professor da UFRJ.
    Manifestantes contra o presidente brasileiro Jair Bolsonaro em meio ao gás lacrimogênio lançado pela Polícia Militar, em São Paulo, em 31 de maio de 2020, durante manifestação pela democracia.
    © REUTERS / Rahel Patrasso
    Manifestantes contra o presidente brasileiro Jair Bolsonaro em meio ao gás lacrimogênio lançado pela Polícia Militar, em São Paulo, em 31 de maio de 2020, durante manifestação pela democracia.

    As opiniões expressas nesta matéria podem não necessariamente coincidir com as da redação da Sputnik

    Mais:

    Fala de Bolsonaro sobre armar a população é rejeitada por 72% dos brasileiros, diz pesquisa
    Bolsonaro participa de manifestação a favor de seu governo e com pedidos antidemocráticos (FOTOS)
    SP, RJ e MG têm manifestações contra Bolsonaro e a favor da democracia (VÍDEOS, FOTOS)
    Celso de Mello arquiva pedido de apreensão de celular de Bolsonaro, mas faz alerta ao presidente
    Tags:
    Jair Bolsonaro, Brasil
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar