00:30 14 Agosto 2020
Ouvir Rádio
    Análise
    URL curta
    0 25
    Nos siga no

    Em uma nova era de competição geopolítica, os EUA avaliam como desenvolver sua Marinha com a inclusão de embarcações autônomas.

    Em um artigo para a publicação Defense News, o almirante aposentado dos EUA Nevin Carr considera o papel de embarcações não tripuladas na Marinha norte-americana.

    "Estas embarcações (nem mesmo está claro se serão chamadas de 'navios') não irão substituir os combatentes altamente capazes da Marinha, mas estenderão seus horizontes e irão aprofundar suas capacidades para aumentar seu poder de combate", diz o militar.

    Para o autor do artigo, existe uma grande necessidade de gerar confiança antes que a Marinha dos EUA possa efetivamente integrar esta nova tecnologia.

    Enquanto isso, o veículo marítimo Sea Hunter, desenvolvido para atender esta necessidade, completa quatro anos e quase 50 mil quilômetros de experimentos de redução de riscos. Mais de metade da distância percorrida foi de forma autônoma.

    "Com mais de US$ 200 milhões [R$ 1,17 bilhão] e quatro anos investidos, a Marinha está no início de uma linha de aprendizado, que está construindo a confiança necessária para a integração à frota de embarcações de superfície não tripuladas, USV [na sigla em inglês]", comenta Carr.

    Segundo o capitão da Marinha dos EUA Wayne Hugles, a vitória nos oceanos geralmente chega a quem pode "atirar efetivamente primeiro". Os USVs podem ajudar a Marinha a realizar esta missão, incorporando novas tecnologias e lições já aprendidas com sua utilização.

    As opiniões expressas nesta matéria podem não necessariamente coincidir com as da redação da Sputnik

    Mais:

    Marinha dos EUA teria entrado em área de exercícios navais do Irã no golfo Pérsico
    Mistério de embarcação da 2ª Guerra Mundial teria sido desvendado (FOTOS)
    Marinha chinesa teria reforçado frota naval com 6 submarinos nucleares
    Tags:
    Marinha dos EUA, Marinha, militar, geopolítica, EUA, embarcação
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar