04:28 03 Junho 2020
Ouvir Rádio
    Análise
    URL curta
    Brasil luta com pandemia em meados de maio (78)
    12393
    Nos siga no

    O ministro da Saúde, Nelson Teich, pediu demissão do cargo nesta sexta-feira (15) menos de um mês após assumir o cargo em 17 de abril em meio à pandemia do novo coronavírus.

    Assim como Mandetta, Teich também apresentou discordâncias com o presidente Jair Bolsonaro sobre as medidas para combate ao coronavírus.

    Em entrevista à Sputnik Brasil, o infectologista Edimilson Migowski, professor de Doenças Infecciosas da Universidade Federal do Rio do Janeiro (UFRJ), disse que qualquer análise sobre o desempenho de Nelson Teich à frente do Ministério da Saúde é "prematura".

    "Qualquer opinião que se venha a ter sobre Nelson Teich vai ser uma opinião com a possibilidade de não ser justa, nós temos pouco dados aqui de fora e eu sei o quanto é conturbado, não deve ser fácil ser chefiado pelo presidente Bolsonaro", disse à Sputnik Brasil.

    Segundo Edimilson Migowski, há na gestão da pandemia da COVID-19 um alto grau de "politização de decisões".

    "Eu não sei se alguém faria melhor do que Teich estava fazendo, pelas dificuldades que são grandes. Ainda mais em um conflito político que existe, de uma politização da questão da COVID-19, em que a cloroquina se tornou uma questão política e não técnica. Assim como abrir ou não abrir determinados setores do comércio deixou de ser uma questão puramente epidemiológica para ser uma decisão política", afirmou.

    Um dos exemplos citados por Edimilson Migowski ocorreu nesta semana, quando Nelson Teich soube através da imprensa da decisão de Jair Bolsonaro sobre a ampliação das atividades consideradas essenciais, em uma tentativa de acabar com o isolamento social, defendido pelo Ministério da Saúde.

    "Às vezes o presidente atropela, ele é presidente e pode atropelar, tudo bem, mas se ele tivesse feito uma parceria, certamente o Ministério da Saúde tem talento suficiente para a toque de caixa baixar normas que aumentem a segurança da operação. É ruim trabalhar assim, eu não gostaria de trabalhar assim", completou Migowski.

    As opiniões expressas nesta matéria podem não necessariamente coincidir com as da redação da Sputnik

    Tema:
    Brasil luta com pandemia em meados de maio (78)

    Mais:

    Conselho de Medicina do Brasil libera cloroquina, mas diz que não há evidências de sua eficácia
    Demissão de Mandetta é reprovada por 64% dos brasileiros, diz Datafolha
    COVID-19 se agrava, mas Bolsonaro inclui academias e barbearias como serviços essenciais
    Bolsonaro admite que falou 'PF' em reunião e espera liberação de vídeo
    Teich pede exoneração do Ministério da Saúde
    Tags:
    pandemia, novo coronavírus, Ministério da Saúde, Jair Bolsonaro, COVID-19
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar