03:28 30 Maio 2020
Ouvir Rádio
    Análise
    URL curta
    7221
    Nos siga no

    O Banco Popular da China revelou que colocará em circulação sua moeda digital, chamada e-RMB, para substituir o dólar norte-americano como meio de pagamento para determinadas operações.

    Eventualmente, busca-se que a nova divisa digital substitua notas e moedas em circulação, informou o Banco Central chinês.

    As autoridades chinesas começaram a estudar a possibilidade de digitalizar sua moeda desde 2014, embora tenham iniciado o programa de desenvolvimento da e-RMB somente em 2017. Analistas chineses afirmam que este projeto tem o objetivo de oferecer aos investidores e empresas uma alternativa à moeda dos EUA.

    "É uma medida para começar a competir com o dólar através desta moeda digital a nível mundial. Atualmente, será uma moeda utilizada dentro da China, porém, existe a possibilidade de que, à medida que vai sendo mais utilizada, ao menos na região da Ásia, também poderia ser usada para o comércio internacional", afirmou à Sputnik Mundo a vice-diretora de análises econômicas do Grupo Financeiro Monex, Janneth Queiroz Zamora.

    A crise sanitária pela pandemia da COVID-19 não deteve o desenvolvimento da moeda. Em 17 de abril, o Banco Popular da China anunciou que seu estudo sobre a moeda se encontra em sua etapa final, motivo pelo qual começaria a realizar testes em várias cidades, como Shenzhen, Suzhou, Chengdu e Xiong'an, área ao sul de Pequim que será sede dos Jogos Olímpicos de Inverno de 2022.

    Símbolo da moeda chinesa yuan
    © AP Photo / Vincent Yu
    Símbolo da moeda chinesa yuan

    Para Queiroz, a e-RMB pode representar uma alternativa funcional ao sistema de liquidez a nível internacional, cuja base é o dólar norte-americano.

    "A China, ao começar a introduzir estes sistemas mais avançados, de uma moeda digital apoiada pelo seu Banco Central, parece-me estar um passo à frente dos Estados Unidos. Como as economias estão tão estreitamente relacionadas, não me pareceria estranho que outras economias, como o Brasil, que tem um elevado nível de integração com a China, possam começar a utilizar esta moeda para realizar transações internacionais", avaliou.

    Esse processo também pode levar a uma concorrência aberta entre moedas, um aspecto que pode afetar a demanda por dólares a nível mundial a médio prazo.

    "Como produto, uma moeda vai diminuindo a demanda, e quanto mais os países começarem a aceitar esta moeda, mais deixarão de demandar dólares. À medida que a demanda por dólares diminui, o preço geralmente diminui. Portanto, o que estaríamos vendo seria a desvalorização do dólar. Os Estados Unidos perderiam esse poder que têm agora, tendo a moeda mais utilizada a nível mundial", prevê Janneth Quiroz.

    Contudo, esse cenário de guerra monetária se encontra distante, já que a situação econômica internacional torna muito difícil prever esta competição ao longo dos próximos meses. Desta forma, a vice-diretora de análises econômicas avalia que os primeiros testes da moeda digital chinesa serão fundamentais para observar como a mesma se posicionará no futuro.

    As opiniões expressas nesta matéria podem não necessariamente coincidir com as da redação da Sputnik

    Mais:

    Bitcoin 'quebra' US$ 10.000 pela 1ª vez desde fevereiro
    Investidores enxergam oportunidades em meio à desvalorização do bitcoin
    Economistas enxergam sinais de recuperação da economia mundial, segundo Bloomberg
    Tags:
    comércio, dólar, China, economia
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar