19:44 04 Junho 2020
Ouvir Rádio
    Análise
    URL curta
    Pandemia da COVID-19 e o mundo no início de maio (100)
    3243
    Nos siga no

    Em meio a acusações feitas por altos responsáveis dos EUA contra o Instituto de Virologia de Wuhan, uma microbiologista afirmou que pode haver um grão de verdade nas afirmações.

    A Dra. Dady Chery, microbiologista e coeditora-chefe do portal News Junkie Post, falou à Sputnik Internacional na segunda-feira (4) para explicar por que ela discorda da afirmação de que o novo coronavírus é um produto da natureza, ao invés de ser produzido em laboratório.

    "A China não é o único lugar a ser culpado por isso", observou. "Eu acho que o Instituto de Virologia de Wuhan esteve quase certamente envolvido na pesquisa do SARS-CoV-2, mas o Instituto de Tecnologia de Wuhan foi na verdade construído com ajuda francesa por US$ 42,4 milhões [R$ 236,5 milhões]."

    Ela afirmou que a China teve desde o início uma série de parceiros internacionais auxiliando os esforços do Instituto de Virologia de Wuhan. Chery explicou que, de acordo com o site do laboratório, cientistas da França, EUA, Canadá, Reino Unido, Austrália, Espanha, Alemanha, Países Baixos, Japão, Singapura, Paquistão e Quênia têm estado dentro das instalações altamente seguras.

    Além disso, sua lista de parceiros financeiros inclui a União Europeia, a Organização das Nações Unidas para Alimentação e Agricultura (FAO), a Organização Mundial da Saúde (OMS) e a Aliança EcoHealth, estabelecida sob um projeto da Agência dos EUA para o Desenvolvimento Internacional (USAID, na sigla em inglês).

    Chery destacou que a Aliança EcoHealth "financia a busca de patógenos muito, muito desagradáveis em animais, e em humanos, e trazê-los para laboratórios de biossegurança nível quatro [BSL-4] para pesquisa".

    Ela acrescentou que existem apenas cerca de 30 laboratórios BSL-4, que apresentam o mais alto nível de precauções de biossegurança e que lidam com esse tipo de pesquisa.

    Presidente da China, Xi Jinping, visita pacientes e médicos no hospital Huoshenshan, em Wuhan, em 10 de março de 2020
    © AP Photo / Xinhua / Xie Huanchi
    Presidente da China, Xi Jinping, visita pacientes e médicos no hospital Huoshenshan, em Wuhan, em 10 de março de 2020

    "Nenhum cientista legítimo pode realmente verificar suas pesquisas, a menos que eles também tenham acesso a um laboratório BSL-4 e queiram correr esse tipo de risco", disse ela.

    Possíveis parentes do novo coronavírus

    Em relação ao próprio vírus, Chery explicou que, das 16 proteínas presentes nele, a proteína do espigão é o ponto focal dos cientistas. Esta proteína em particular é a responsável por reconhecer a proteína receptora na superfície das células humanas, para que ela possa entrar nelas.

    Segundo a OMS, o novo coronavírus é de "origem animal" e não foi "manipulado ou construído em laboratório ou em qualquer outro lugar". Embora muitos tenham atribuído a negação pelo presidente norte-americano Donald Trump da declaração da OMS e sua retórica anti-China a nada mais do que xenofobia, é possível que ele esteja correto sobre a origem do vírus.

    Chery observou que quando se trata do SARS-CoV-2, crê-se que seu parente mais próximo é o SARS-CoV, que foi identificado em 2002 e causa a síndrome respiratória aguda grave (SARS).

    No entanto, os dados de sequência genética publicados por investigadores chineses mostraram que o RaTG13, um tipo de coronavírus de morcego, é o parente mais próximo do SARS-CoV-2.

    "O único problema com isso é que a principal semelhança entre [o RaTG13] e o SARS-CoV-2 está na proteína espigão. O vírus tem muito mais coisas", apontou.

    Chery afirmou que os cientistas de Wuhan têm assento nos conselhos editoriais de seis revistas científicas diferentes e são incrivelmente poderosos na comunidade científica, pois "dão dinheiro para cientistas de todo o mundo".

    Evidências inconclusivas

    No entanto, disse ela, o virologista francês e prêmio Nobel da medicina Luc Montagnier argumentou que há sequências de HIV presentes no SARS-CoV-2, o que não é provável que aconteça em algo que ocorre na natureza.

    "Eu não acreditei apenas na palavra dele", frisou Chery. "Eu li mesmo os artigos [referenciados]."

    Vale ressaltar que os comentários de Montagnier têm recebido a oposição de muitos de seus colegas, incluindo Jean-François Delfraissy, imunologista e chefe do conselho consultivo do governo francês para a COVID-19.

    Delfraissy disse, falando à emissora francesa BFM TV, que a hipótese de que a SARS-CoV-2 foi feita em um laboratório soa como "uma visão conspiratória que não se relaciona com a ciência real".

    As opiniões expressas nesta matéria podem não necessariamente coincidir com as da redação da Sputnik

    Tema:
    Pandemia da COVID-19 e o mundo no início de maio (100)

    Mais:

    Trump promete que EUA revelarão origem do coronavírus em breve
    EUA estariam usando coronavírus como '5ª batalha estratégica' contra ascensão da China?
    Inteligência francesa contradiz acusações de Trump sobre origem do novo coronavírus
    Serviços de inteligência ocidentais acusam a China de esconder e destruir dados sobre o coronavírus
    OMS quer participar das investigações da China sobre as origens da COVID-19
    Pesquisadores dos EUA e China se aliam para buscar origem do coronavírus
    Tags:
    BFMTV, USAID, OMS, Organização das Nações Unidas para a Alimentação e a Agricultura, ONU, União Europeia, Quênia, Paquistão, Singapura, Japão, Países Baixos, Alemanha, Espanha, Austrália, Reino Unido, Canadá, Instituto de Produtos Biológicos de Wuhan, Wuhan, França, COVID-19, Sputnik, EUA, China
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar