23:46 04 Agosto 2020
Ouvir Rádio
    Análise
    URL curta
    1133
    Nos siga no

    Acusado de conduta não republicana pelo ex-ministro Sergio Moro, o presidente Jair Bolsonaro não explicou as denúncias feitas contra ele e se concentrou apenas em criar um novo inimigo para o seu governo, afirma cientista política ouvida pela Sputnik.

    Como tem sido recorrente ao longo dos últimos meses, o governo brasileiro foi abalado por uma nova polêmica nesta sexta-feira (24), após o anúncio da demissão do então diretor-geral da Polícia Federal, Maurício Valeixo. 

    Cumprindo as ameaças feitas na última quinta-feira (23), o então ministro da Justiça e Segurança Pública, Sergio Moro, responsável pela indicação de Valeixo ao cargo, decidiu deixar a administração de Jair Bolsonaro, proferindo um polêmico discurso de despedida, com graves acusações contra o presidente da República. 

    ​Segundo Moro, o desejo de Bolsonaro de mudar o comando da PF seria motivada por uma vontade de interferir politicamente na instituição, tendo acesso a conteúdos sigilosos de investigações sobre, possivelmente, aliados e familiares. 

    Tais acusações, feitas ainda durante a manhã, causaram um grande impacto na imprensa e no meio político, sendo desmentidas, no entanto, pelo presidente durante coletiva realizada no final da tarde

    Em pronunciamento um pouco mais longo do que de costume, o chefe de Estado tentou se defender das denúncias de Moro falando sobre vários assuntos diferentes, mas, nas vezes em que falou de seu ex-ministro, se concentrou em danificar sua imagem perante o eleitorado, colocando-o como o novo inimigo do seu governo, conforme explicou, em entrevista à Sputnik Brasil, a cientista política Ariane Roder, professora da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ).

    "Assim como previsto, a estratégia principal do presidente, no seu discurso, foi achar um novo inimigo, no caso, o Sergio Moro", disse a especialista.

    De acordo com a acadêmica, as declarações de Bolsonaro à imprensa nesta tarde se dividiram em três eixos: em um deles, o presidente teria se concentrado em atacar o perfil do seu ex-ministro, descrevendo-o como uma pessoa egocêntrica e com interesses eleitorais. No segundo eixo, ele destaca a prerrogativa presidencial de indicar o comandante da Polícia Federal e, no terceiro, tentou se concentrar em valorizar o seu próprio perfil, falando sobre a tentativa de assassinato sofrida, recursos que deixou de gastar e a importância do seu cargo. 

    "Então, o que a gente percebe do discurso, essencialmente, é o que já se esperava, a tentativa de polarização", explica Roder, destacando que a estratégia do presidente teria por fim colocar parte da opinião pública contra Sergio Moro, minimizando, ao mesmo tempo, sua decisão de interferir na Polícia Federal.

    Para a professora, apesar de tentar minimizar o problema, Bolsonaro não chegou a explicar as questões apresentadas pelo seu novo desafeto. 

    ​"Possivelmente, após esse discurso, vão começar as mensagens e as estratégias nas mídias sociais de gerar essa dicotomia entre as duas figuras, denegrindo o papel do Sergio Moro, fortalecendo alguns aspectos da figura do Bolsonaro [...] E vai caminhar nessa direção, possivelmente, assim como aconteceu no caso da saúde, para antagonizar e diminuir o stress, o impacto institucional que esse discurso pode ter."

    As opiniões expressas nesta matéria podem não necessariamente coincidir com as da redação da Sputnik

    Mais:

    Moro nega ter pedido assento no STF em troca da permanência de Valeixo
    Mercado financeiro teme queda de Paulo Guedes, após demissão de Sergio Moro
    Oficial: ministro da Justiça Sergio Moro anuncia saída do governo Bolsonaro
    Tags:
    Ministério da Justiça, UFRJ, Polícia Federal, Sergio Moro, Jair Bolsonaro, Bolsonaro, Brasil
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar