10:07 24 Outubro 2020
Ouvir Rádio
    Análise
    URL curta
    Brasil lidando com COVID-19 em meados de abril de 2020 (77)
    733
    Nos siga no

    O oncologista Nelson Teich assumiu na manhã desta sexta-feira (17) o comando do Ministério da Saúde, após crise política entre o seu antecessor, Luiz Henrique Mandetta e o presidente Jair Bolsonaro.

    Em entrevista à Sputnik Brasil, o médico Cláudio Crispi, Presidente do Instituto Crispi de Cirurgias Minimamente Invasivas, afirmou esperar que o novo ministro entre em sintonia com a Presidência, sem ferir os aspectos técnicos adotados na gestão anterior da pasta.

    "Na verdade a gente estava gostando da condução do ministro Mandetta, mas o alinhamento dele com a parte econômica estava difícil. Se a mudança manter o aspecto técnico que a classe médica quer, e tiver algum alinhamento com a questão econômica, que também é muito importante, sem ferir os aspectos técnicos, eu acho que vai ser muito bom", disse o especialista.

    O médico acrescentou que "as mudanças podem ser para o bem e também para o mal". No entanto, ele destacou que Nelson Teich é "uma pessoa respeitada, com uma formação boa, ligada à gestão e à parte médica". 

    "Por isso estamos torcendo para que ele, de fato, siga o caminho que estava sendo tomado e que ele consiga um bom diálogo com o Executivo para que essas discussões que vem acontecendo acabem [...] Tudo que a gente não precisa neste momento de tanta angústia são as brigas que não levam a lugar nenhum. Então se a mudança é para apaziguar e para que nós possamos seguir dentro da ciência no combate à essa epidemia, acho que [a mudança] é bem-vinda. Nós precisamos de paz neste momento, em todos os sentidos", ponderou o entrevistado.

    O doutor Cláudio Crispi acrescentou que o confinamento da população continua sendo necessário. A medida tem como objetivo dar tempo à rede pública e privada, que precisam se preparar para atender o alto número de pacientes.

    Por outro lado, o médico alertou que o confinamento não vai levar à cura da COVID-19. A volta à normalidade só vai acontecer, disse o especialista, quando se formar a imunidade na população, pela vacina, ou quando quase mais de 50% ou 60% da população já tiver entrado em contato com a doença. 

    Para ele, o processo todo pode levar mais de um ano e não será possível manter as pessoas isoladas por esse período prolongado. Por isso, Crispi considera necessário ampliar o número de testes para detecção da COVID-19 e pensar em estratégias graduais de retorno ao trabalho.

    "Quem já tem anticorpos contra a doença não só não fica doente, como não transmite. Essas pessoas podem gradativamente voltar ao trabalho e exercer suas atividades. Precisamos testar a população com mais amplitude possível", conclui o médico.

    As opiniões expressas nesta matéria podem não necessariamente coincidir com as da redação da Sputnik

    Tema:
    Brasil lidando com COVID-19 em meados de abril de 2020 (77)
    Tags:
    saúde, novo coronavírus, Ministério da Saúde, Brasil, COVID-19
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar