16:04 04 Junho 2020
Ouvir Rádio
    Análise
    URL curta
    Mundo lidando com COVID-19 no início de abril de 2020 (153)
    18469
    Nos siga no

    Na opinião de analista da Argentina, a "atitude egoísta" da Administração Trump está dando espaço a outros países para mostrar seu lado humanitário, tais como a China, Cuba e Rússia.

    Há uma semana, as autoridades alemãs comunicaram que foi confiscado na Tailândia um carregamento de 200.000 máscaras para a polícia de Berlim, tendo acusado os EUA de se apropriar do material em meio à pandemia.

    "Nos momentos mais difíceis, os verdadeiros líderes vêm à tona", disse o especialista argentino Alejandro Laurnagaray à Sputnik Mundo, argumentando que a pandemia da COVID-19 vai mudar a geopolítica de acordo com a forma como os governos se comportam face à crise.

    Enquanto os Estados Unidos estão perdendo peso, líderes como os da "Rússia, China e mesmo Cuba" estão consolidando-se, diz.

    Em uma entrevista publicada na sexta-feira (10) pela revista Der Spiegel, o ministro alemão das Relações Exteriores, Heiko Maas, criticou a resposta "demasiado lenta" dos EUA à crise da COVID-19, afirmando esperar que Washington reconsidere suas relações internacionais.

    "Vamos ver até que ponto as ações do governo dos EUA irão conduzir a discussões no país sobre se o modelo 'América primeiro' realmente funciona", acrescentou o diplomata.

    Polos opostos

    "O que os EUA estão fazendo com o Irã, a Venezuela e Cuba, bloqueando a chegada de ajuda de outros países, já não só açambarcando tudo para si próprios, impede que outros países tenham acesso, nem sequer a doações, como aconteceu com Cuba", comentou Laurnagaray.

    Dias depois de declarar o líder da Venezuela como chefe de um cartel de droga, Trump enviou navios, helicópteros e tropas para o mar do Caribe para supostamente conter o narcotráfico.

    "Este é um exemplo do que esta pandemia nos vai deixar, porque vai gerar e demonstrar uma mudança moral, de princípios e de liderança", disse o especialista argentino.

    "É uma tendência que irá aprofundar a liderança que a China, Cuba e Rússia estão tendo. É uma demonstração de verdadeira cooperação, solidariedade e coordenação internacional", acrescentou.

    Estes últimos valores "prevalecerão sobre uma atitude egoísta, isolacionista e até militarista em meio à pandemia, como temos visto os Estados Unidos [fazendo], mobilizando tropas e ameaçando outros países", expressou.

    Um homem usando máscara no Irã
    © REUTERS / Essam al-Sudani
    Um homem usando máscara no Irã

    "É uma vergonha o que o governo de Trump está fazendo com a Venezuela, a continuar a intimidar mesmo em momentos de catástrofe mundial. É também uma tentativa de desviar as atenções do total descontrole a nível interno daquilo a que estamos assistindo com a pandemia. Será o país que vai ter mais mortes", afirmou.

    Ajuda apesar das sanções

    Laurnagaray destacou o caso de Cuba, que, marginalizada e isolada da comunidade internacional pelo bloqueio dos EUA, se tornou em porta-bandeira de solidariedade enviando brigadas médicas para todo o mundo em plena pandemia.

    "A exportação de solidariedade de Cuba tem sido muito visível para toda a comunidade internacional. Um país com décadas de sanções e impedimentos, a medicina e seus médicos têm um papel de liderança a nível internacional com esta e outras pandemias que podem não ter tido visibilidade", salientou o analista.

    O especialista observou que situações como a da União Europeia "se abrindo à ajuda chinesa e russa, que também enviaram ajuda para a Itália", apesar das sanções, "são exemplos que permanecerão e marcarão o caminho para novas lideranças".

    Sanções norte-americanas à Venezuela

    Os Estados Unidos bloquearam até 22 de julho qualquer venda ou transferência da dívida, detida pelos portadores de obrigações norte-americanas da companhia petrolífera estatal venezuelana PDVSA, para impedir o governo do presidente Nicolás Maduro de assumir essas obrigações, de acordo com um documento publicado pelo Departamento do Tesouro norte-americano.

    "Entre 24 de outubro de 2019 e 22 de julho de 2020 [data em que entra em vigor a autorização da Licença Geral 5C], não há nenhuma autorização em vigor de licenças contra a alínea 1 (a) (iii) da Ordem Executiva 13835 [de sanções contra a Venezuela] aplicáveis aos titulares das obrigações PDVSA 2020 de 8,5%", diz um documento associado.

    "Como resultado, durante esse período, são proibidas transações relacionadas com a venda ou transferência de ações da Citgo [refinaria, distribuidora e revendedora de petróleo dos EUA] em ligação com as obrigações de 8,5% PDVSA 2020, a menos que especificamente autorizadas pelo Escritório de Controle de Ativos Estrangeiros [OFAC, na sigla em inglês]", continua o texto.

    Escultura de uma mão segurando uma bomba de óleo atrás da sede da empresa venezuelana PDVSA em Caracas
    © AP Photo / Fernando Llano
    Escultura de uma mão segurando uma bomba de óleo atrás da sede da empresa venezuelana PDVSA em Caracas

    Anteriormente, o governo dos EUA emitiu uma ordem, em 24 de outubro, para bloquear até 22 de janeiro uma penhora de credores da filial norte-americana da PDVSA, a Citgo, cujas ações foram utilizadas como garantia para a emissão de obrigações.

    Papel de Guaidó

    O líder da oposição e autoproclamado presidente interino da Venezuela, Juan Guaidó, assumiu o controlo da Citgo no início de 2019, depois de o governo dos Estados Unidos o reconhecer como o líder legítimo do país.

    Depois de Guaidó ter assumido o controlo da Citgo, as obrigações entraram em incumprimento quando era devido um pagamento US$ 913 milhões (R$ 4,66 bilhões), e tanto ele como seus aliados entraram com uma ação judicial nos Estados Unidos solicitando a anulação das obrigações.

    A ordem de sexta-feira (10) impede efetivamente os credores da PDVSA de apreenderem ações da empresa-mãe da Citgo até 22 de julho.

    As opiniões expressas nesta matéria podem não necessariamente coincidir com as da redação da Sputnik

    Tema:
    Mundo lidando com COVID-19 no início de abril de 2020 (153)

    Mais:

    COVID-19 'afunda' navios dos EUA em meio a exercícios navais da China, aponta mídia norte-americana
    EUA ignoram pedidos do Irã e Pompeo diz: 'nenhuma sanção' impede ajuda contra COVID-19
    Trump sobre 'pirataria' de equipamentos contra COVID-19: 'Precisamos das máscaras'
    O que explica escala do coronavírus no país mais rico do planeta?
    Tags:
    Escritório de Controle de Ativos Estrangeiros do Tesouro, Citgo, Nicolás Maduro, Itália, União Europeia, Donald Trump, Heiko Maas, Der Spiegel, Sputnik, Alemanha, Juan Guaidó, PDVSA, Rússia, Cuba, Venezuela, China, EUA
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar