04:14 02 Dezembro 2020
Ouvir Rádio
    Análise
    URL curta
    Mundo lidando com COVID-19 no início de abril de 2020 (153)
    0 70
    Nos siga no

    O surto de COVID-19 paralisou economias em todo o mundo, obrigando a reestruturações, despedimentos e lay-offs em vários países. Um analista dos mercados energéticos tenta perceber como isso afetará a área.

    É pouco provável que a vida após a pandemia do coronavírus volte completamente ao que era antes do surto, mas continua sem resposta a questão de saber exatamente como ela irá afetar nossas vidas e, mais especificamente, como irá afetar os mercados de energia duramente atingidos.

    As previsões são tão contrastantes como a distância entre os polos norte e sul no que toca ao futuro do petróleo, segundo Aleksandr Sobko, especialista em mercados energéticos da Escola de Negócios Skolkovo da Rússia.

    Por um lado, espera-se que mais empresas adotem práticas de trabalho à distância, que estão atualmente sendo amplamente utilizadas durante a quarentena, o que resulta em uma redução da utilização e da demanda de petróleo. Se for esse o caso, os preços do petróleo bruto poderão não voltar ao nível registrado em 2019, observa Sobko em declarações à Sputnik Internacional.

    Barris de petróleo

    Outro ponto de vista que o especialista cita sugere que, após o fim da pandemia, mais pessoas optarão por trocar seus apartamentos nas cidades por casas particulares nos subúrbios, aumentando assim o uso de gás e a demanda de petróleo em comparação com 2019.

    Os preços do gás também vão continuar sob pressão para se manterem baixos em um futuro próximo, uma vez que a recessão vai provavelmente afetar a demanda, a maior parte da qual é gerada por empresas transformadoras, acredita Sobko. Ele acrescenta que a situação se agrava ainda mais no final do inverno no hemisfério norte, resultando em uma redução do consumo de gás para fins de geração de calor.

    Desafio para a indústria da energia verde?

    Os efeitos da pandemia nas principais fontes de energia podem também ter impacto na esfera da produção de energias renováveis, sublinha Skobko. Ele salienta que, tradicionalmente, o petróleo barato é visto como um fator que prejudica o crescimento da indústria da energia verde.

    O especialista observou, no entanto, que o petróleo é utilizado principalmente na produção de combustíveis, enquanto as fontes renováveis são normalmente utilizadas para gerar energia que é principalmente utilizada por famílias e fábricas. Como tal, estas duas fontes de energia não competem, na sua maioria, entre si.

    Mas os preços do petróleo poderiam fazer baixar o preço do gás, um concorrente direto da energia verde. Skobko afirma que em muitos contratos de transporte de gás natural liquefeito os preços estão ligados aos preços de um barril de óleo cru.

    Funcionário usa máscara protetora em poço de petróleo no Iraque, em 15 de março de 2020
    © REUTERS / Essam Al-Sudani
    Funcionário usa máscara protetora em poço de petróleo no Iraque, em 15 de março de 2020

    O analista observa ainda que a energia verde há muito que se beneficia dos governos. Por exemplo, em muitos países que a utilizam ela tem tido prioridade para as redes de energia em comparação com a energia gerada por combustíveis fósseis.

    Ao mesmo tempo, as usinas tradicionais a gás são responsáveis pela manutenção de um nível de energia suficiente na rede, uma vez que a produção de gás pode ser fornecida a pedido, ao contrário das fontes renováveis, diz Skobko à agência.

    Agora que o consumo de energia diminuiu drasticamente em meio ao surto, as usinas elétricas baseadas em combustíveis fósseis ainda têm de manter o nível de energia na rede, embora o consumo real de energia tenha diminuído, tal como os pagamentos, indica o especialista.

    O analista sugere que esta ênfase na indústria da energia não verde poderia levantar mais uma vez a questão do "status especial" das energias renováveis. Ele acredita que esta é uma oportunidade para a esfera da energia verde mostrar que merece ser desenvolvida e que pode competir com as fontes de energia mais tradicionais.

    Ao mesmo tempo, Aleksandr Skobko acrescenta que a posição da indústria das energias renováveis pode ficar comprometida devido ao fato de muitos países enfrentarem um declínio econômico após o fim da pandemia do coronavírus. O especialista em mercados energéticos sugere que, em uma situação como esta, esses países poderão optar por opções mais baratas para a produção de energia.

    As opiniões expressas nesta matéria podem não necessariamente coincidir com as da redação da Sputnik

    Tema:
    Mundo lidando com COVID-19 no início de abril de 2020 (153)

    Mais:

    Fundo Russo de Investimentos Diretos está confiante com concretização de novo pacto da OPEP+
    Trump ameaça impor tarifas à importação de petróleo para 'proteger' empresas dos EUA
    Moscou acusa 'parceiros árabes' de provocarem queda do preço do petróleo
    Choques nos preços petrolíferos podem ser 'última gota' para mercados dos EUA, alertam especialistas
    Preços de petróleo voltariam a subir quando coronavírus for derrotado, diz especialista chinês
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar