11:17 26 Maio 2020
Ouvir Rádio
    Análise
    URL curta
    10472
    Nos siga no

    Segundo Mehmet Ali Guller, um conhecido jornalista e comentador turco, a ordem neoliberal centrada na UE e nos EUA está chegando ao fim como resultado de sua reação inadequada à propagação da COVID-19.

    Em meio à recusa na prática dos EUA e UE para cumprir os acordos no quadro das suas alianças, a Rússia, a China e Cuba estão mobilizando-se e demonstrando solidariedade para ajudar o mundo a enfrentar a pandemia, diz Mehmet Ali Guller, um conhecido jornalista e analista político turco.

    Segundo Guller, esta crise irá acelerar o processo de criação de um novo mundo multipolar, em que nada ficará igual ao que era antes.

    "A pandemia de Covid-19 revelou toda a complexidade da situação humanitária no mundo. Enquanto os Estados Unidos e os países da UE fecharam suas fronteiras entre si, a Itália, o membro da UE mais afetado pela epidemia, foi ajudada por países como a China, a Rússia e Cuba. Na minha opinião, há duas explicações para isso", explica à Sputnik Turquia.

    "Em primeiro lugar, em certos momentos críticos, fica claro que os países considerados desenvolvidos não o são na realidade. Em segundo lugar, existem diferenças fundamentais entre os Estados Unidos e os países da UE, que afirmam que 'o lucro está em primeiro lugar', e outros países, que colocam a saúde e os interesses das pessoas em primeiro lugar."

    Razões da divergência no comportamento

    O especialista tentou entender a razão pela qual o mundo ocidental e outros países reagiram de formas tão diferentes.

    "O que impele a China, Cuba e Rússia a ajudar a Itália, enquanto os países do G7 e da UE não a apoiam? Não é necessário recorrer a uma análise longa, a China e Cuba são países socialistas, enquanto a Rússia, embora não o seja mais, mantém certas características que recebeu como herança da URSS", afirmou.

    Mehmet Guller referiu que a "pequena" Cuba, que resiste ao embargo imperialista dos EUA, "demonstrou como ela é forte". Também aceitou receber um navio inglês que outros países não deixaram entrar devido à presença do coronavírus entre passageiros a bordo.

    "O sistema capitalista não é capaz de resolver problemas em condições de emergência, uma vez que se concentra principalmente na obtenção de lucros", afirma o analista.

    Caixa com medicamentos e equipamentos médicos enviados da Rússia para a Venezuela, em 21 de fevereiro de 2019
    © Sputnik / Mikhail Alaeddin
    Caixa com medicamentos e equipamentos médicos enviados da Rússia para a Venezuela, em 21 de fevereiro de 2019

    Os Estados que vivem no âmbito desse sistema podem ter feito avanços tecnológicos, criando as armas e mísseis avançados, mas não têm máscaras nem aparelhos de respiração artificial para seus próprios cidadãos, realçou.

    "Em contrapartida, o sistema socialista parte da ideia que seu bem-estar é antes de mais o das pessoas, da nação, da sociedade, e em situações de emergência como esta são tomadas todas as medidas necessárias para as proteger.

    "Por exemplo, vemos que a China e a Rússia entregaram material médico a muitos países, incluindo os Estados Unidos", explicou Guller.

    A viragem internacional

    Segundo ele, a epidemia provou mais uma vez que a liderança mundial dos EUA ficou no passado, enquanto o globalismo neoliberal falhou.

    "Basta olhar para as declarações dos governadores dos maiores estados norte-americanos. Eles apontam tanto para a natureza cruel do capitalismo como para sua impotência face a esta nova ameaça", diz.

    "No meu livro 'Fim da Hegemonia Americana' eu analisei os acontecimentos econômicos, políticos e militares desde os anos 2000, falei sobre a formação do novo mundo e, apresentando dados específicos, assinalei que atualmente está em curso o processo de criação de uma ordem mundial multipolar."

    A atual epidemia apenas irá acelerar o processo, relançando "a noção de Estados-nação" e "pondo fim à ideia de globalização", opina.

    "É de notar que tem havido um debate ativo nos EUA, ao longo da última semana, em que altos responsáveis da administração dos EUA apelaram a Trump para estabelecer uma cooperação com a China. Eles compreendem que, sem uma cooperação com a China, os EUA não têm qualquer hipótese de sair desta crise em grande escala, nem eles próprios, nem seus aliados", afirma.

    "Estas realidades irão acelerar a formação de um mundo multipolar. Nestas condições, atores eurasiáticos influentes, tais como a Rússia, a China, a Índia, poderão formar um novo equilíbrio de poder e um sistema que substituirá o modelo eurocêntrico", concluiu Guller.

    As opiniões expressas nesta matéria podem não necessariamente coincidir com as da redação da Sputnik

    Mais:

    Trump: Rússia enviou avião carregado de equipamentos médicos aos EUA para combater COVID-19
    'Da Rússia com amor': Moscou ajuda Itália a combater COVID-19
    Itália vai tentar convencer Europa sobre erro de isolar a Rússia, afirma ministro italiano
    Tags:
    Cuba, China, Rússia, União Europeia, EUA, Sputnik Turquia
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar